Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»As histórias surpreendentes de lugares abandonados em Portugal agora em livro

As histórias surpreendentes de lugares abandonados em Portugal agora em livro

Quem por ali passa não sabe, mas as paredes em ruínas da Quinta do Comandante, em Oliveira de Azeméis, escondem uma história incrível. Certa noite, o comandante Batista de Carvalho juntou um grupo de amigos e familiares para uma festa. A meio do jantar levantou-se, dirigiu-se ao quarto, pegou num revólver e suicidou-se. Não é caso único em Portugal. Agora, pode conhecer esta e outras histórias no livro ‘Lugares Abandonados de Portugal’, de Vanessa Fidalgo.

Pinterest Google+

Vanessa Fidalgo é jornalista e acaba de lançar o livro ‘Lugares Abandonados de Portugal’, onde faz uma viagem fascinante ao passado. São histórias de aldeias inteiras que, de um dia para o outro, ficaram abandonadas. De estações ferroviárias onde o apito dos comboios deixou de se ouvir a mansões e palacetes em que o silêncio se instalou como uma herança maldita.

 

Durante um ano, a jornalista investigou a história de 46 lugares, desde quintas a mosteiros, palacetes, antigas minas, aldeias abandonadas e até estações de comboio.  O objetivo foi saber que lugares foram esses, quem lá viveu, o que aconteceu e porquê, perceber o que restou de tudo isso, do que nos falam os escombros ou as paredes que se mantiveram de pé. O que a motivou? «A vontade de investigar e saber mais sobre determinados lugares que estavam vazios, mas que sempre me fascinaram quer pelo seu aspeto ou mesmo pelo pouco que sabia deles».

 

Veja também: Venda ambulante: uma viagem ao passado no Alentejo profundo

 

Sáo vários os motivos que levam ao abandono destes espaços monumentais, desde mudanças de vida, morte dos proprietários, partilhas complicadas, dificuldades na remodelação e manutenção destes espaços. E são histórias que se vão perdendo com o tempo. «Na esmagadora maioria dos casos, os locais desconhecem uma boa parte da história destes edifícios, sobretudo nas grandes cidades. Foi também uma das razões que me levou a escrevê-lo: acho que todos temos o direito de saber um pouco mais sobre os sítios onde vivemos», comenta a autora.

 

Muitas vezes, são aldeias inteiras que são levadas ao abandono, motivadas pela migração para o litoral ou para o estrangeiro. É o caso das aldeias do Colmeal e de Banzeres, cujas histórias são contadas neste livro. Também é comum estes lugares ficarem envoltos em mitos e mistérios.  A aldeia submersa de Vilarinho das Furnas, por exemplo, tem uma lenda associada. A Ermida de Vila Chã tem outra. O Palácio de Dona Chica está associado a uma maldição.

 

E quais  as histórias que mais a surpreenderam: «Talvez a do Palácio dos Condes da Lousa, porque é um sítio à porta do qual passo com frequência, mas não sabia quem lá tinha morado. Aliás, em abono da verdade nunca sequer tinha reparado bem naqueles muros. E isso fez-me descobrir a vida e a obra do Padre Himalaia. Também gostei muito de conhecer melhor a Quinta da Arealva, em Cacilhas, precisamente pelas mesmas razões».

 

Veja também: Aldeias e vilas que tem de visitar

 

Toda esta aura atrai pessoas que se dedicam a explorar locais abandonados. Chama-se urbex (urban exploration) e é um hobbie motivado pela atração pelo desconhecido e pelo fruto proibido. Quem o pratica procura também espírito de aventura e saber mais sobre o que está visível à primeira vista.

 

Portugal está repleto de lugares abandonados, tanto no campo, como nas cidades. Uma realidade que «retrata a falta de recursos económicos para a preservação e a falta de medidas firmes e eficazes no campo da preservação do património», conclui a autora. Veja agora, na galeria acima, algumas imagens de lugares abandonados.

Artigo anterior

O outono está a chegar… está a viver o seu tempo como quer?

Próximo artigo

Pilar 7, o novo miradouro de Lisboa