Home»BEM-ESTAR»CORPO»As diferenças entre perder peso e emagrecer

As diferenças entre perder peso e emagrecer

Em princípio, podemos pensar que sim, ou seja, perder peso significa emagrecer. Neste artigo vamos pensar em cada um destes conceitos separadamente.

Pinterest Google+

A obesidade traduz um acúmulo excessivo de energia no organismo sob a forma de gordura, ou seja, estar “gordo” significa ter excesso de peso e de gordura no organismo. A obesidade surge quando a energia dos alimentos ingeridos não é utilizada (“aproveitada”) pelo organismo. Consequentemente, esta energia em excesso vai transformar-se em gordura e aumentar o peso – este aumento do peso vai ser à custa do aumento da massa gorda.

 

Os diferentes aumentos do peso

– O excesso de peso pode ter origem num ou num conjunto de fatores que se podem manifestar isoladamente ou em conjunto, entre os quais temos os fatores genéticos, os sociais e ambientais, os culturais, os psicológicos, os endócrinos e outros. Dentro de todos estes fatores, aquele que favorece um maior aumento de gordura no organismo, e por sinal o aumento do peso é o fator social e ambiental.

 

VEJA TAMBÉM: REDUZIR EM EXCESSO AS CALORIAS PODE TER EFEITO CONTRÁRIO AO PRETENDIDO, REVELA ESTUDO

 

– Uma prática adequada e regular de exercício físico com a supervisão de um profissional de educação física pode levar ao aumento da massa muscular, chamado também de hipertrofia muscular. Deve-se ter sempre em mente que a hipertrofia aumenta também o peso (em músculo), sem que haja um acúmulo de gordura no organismo. Uma pessoa pode ser mais “pesada” (ter um elevado desenvolvimento muscular) sem estar “gorda”.

 

– Alguns problemas endócrinos e/ou orgânicos e a utilização de certos fármacos podem originar uma retenção de líquidos no organismo, aumentando também o peso sem que a pessoa tenha, necessariamente, excesso de gordura.

 

No entanto, existem situações que podem ocorrer simultaneamente, ou seja, uma pessoa pode apresentar excesso de peso por ter um elevado desenvolvimento muscular e, ao mesmo tempo, ter excesso de gordura no organismo.

 

VEJA TAMBÉM: O STRESS E A ANSIEDADE FAZEM COMER MAIS

 

É importante ser dito que o excesso de músculos, normalmente, não compromete a saúde, a não ser em casos de um desenvolvimento muscular exagerado e que tenha sido conseguido através de métodos não naturais, como por exemplo com o recurso a esteroides anabolizantes (que trazem graves consequências à saúde do desportista a médio e a longo prazo).

 

O excesso de gordura, por sua vez, é extremamente prejudicial ao organismo, predispondo o indivíduo ao desenvolvimento de várias doenças, entre elas temos algumas formas de cancro, a obesidade, a diabetes, a hipertensão, má circulação sanguínea, doenças cardiovasculares e outras.

Artigo anterior

Organizações mundiais unem-se para procurarem novas formas de melhorar a saúde

Próximo artigo

Há éclairs franceses em mais uma loja em Lisboa