Home»FOTOS»As adegas não servem só para guardar vinho

As adegas não servem só para guardar vinho

Um ambiente de baixa luz, temperatura estável, pé direito alto, grandes pipas e silêncio… é assim que se preservam os vinhos nas adegas. Um ambiente tranquilo que em alguns momentos do ano é cortado pelo som de violinos, guitarras, vozes ou outros instrumentos de som. São os ‘Sons do Vinho’, experiências enoturísticas nas adegas da região de Setúbal.

Pinterest Google+

Organizado pela Associação da Rota de Vinhos da Península de Setúbal, o ciclo de experiências ‘Sons do Vinho’ é isso mesmo, um ‘paring’ entre vinhos e música, onde se podem conhecer as adegas da região de uma forma diferente. Veja algumas imagens na galeria acima.

 

Este breve ciclo por algumas adegas, que acontece no final de cada ano, permite partir à descoberta das histórias das famílias vitivinícolas da região, ao mesmo tempo que se provam os vinhos produzidos pela adega aliados aos melhores produtos alimentares típicos. Assim, as adegas despertam os sentidos com sonoridades vínicas, este ano numa iniciativa que passa pela Adega Filipe Palhoça Vinhos, no Poceirão, a 26 de outubro, e pela Casa Dupó,  em Fernando Pó, a 26 de novembro.

 

VEJA TAMBÉM: FORTE DE S. FILIPE: A BELEZA DE UMA FORTALEZA INSPIRADA NUM CASTELO

 

A experiência inclui uma visita guiada pelo espaço, onde é contada a história da adega e são dados detalhes sobre a produção de vinho. Sabia, por exemplo, que ao moscatel não é adicionado qualquer açúcar? Ele é doce porque se retém o açúcar da uva antes de se transformar em álcool.

 

Mas adiante. A visita direciona-se depois para a adega, onde se dá então o concerto entremeado com provas comentadas de vinho branco e tinto, pelo enólogo do produtor e degustação de produtos regionais, nomeadamente  a típica sopa Caramela, pão, queijo seco de ovelha, queijo de Azeitão, chouriço, torresmos, compota de fruta e doces regionais, estes a fazerem o par perfeito com o moscatel de Setúbal.

 

Concerto da Orquestra Nova de Guitarras na Venâncio da Costa Lima em 2018

 

Esta é uma forma de abrir as portas das adegas ao público e dar a conhecer a produção daquele que é um ex-libris da região de Setúbal, o vinho. «A região dispõe de condições naturais únicas beneficiando da proximidade com o Parque Natural da arrábida e Reserva Natural do Estuário do Sado, que proporcionam características únicas para a prática de atividades enoturísticas que conjugam visitas a adegas com um contacto direto com a natureza e o património. A variedade é assinalável», divulga a Rota.

 

Artigo anterior

O que andamos a fazer às nossas costas?

Próximo artigo

Afinal, que quantidade de proteína devemos comer?