Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»As sete fases de um detox pela visão da nutrigenética

As sete fases de um detox pela visão da nutrigenética

Na maioria dos processos, a mudança ocorre após os primeiros vinte e um dias, tempo em que o biorritmo do corpo começa a reorganizar-se para dar início à saúde com vitalidade.

Pinterest Google+

– A Fase 1 inicia-se com a primeira consulta, onde se faz uma criteriosa avaliação do estado de saúde do paciente. Nesta consulta, prepara-se a consciência do paciente para a necessidade da mudança através da reorganização alimentar de acordo com o perfil fisiológico e social e do biorritmo, feito num ciclo de 21 dias. Isto é, dá-se início ao acerto do relógio biológico através do cronobiograma (horas certas para comer).

 

– As Fases 2 e 3 consistem em dois ciclos de 21 dias de desintoxicação alimentar (detox) onde se adequam novos alimentos de forma a depurar o sangue e o ambiente gastrointestinal.

 

– As Fases 4 e 5 consistem em dois ciclos de 21 dias para a desintoxicação hepática e o acerto dos micronutrientes.

 

– As Fases 6 e 7 consistem em dois ciclos de 21 dias para acerto e manutenção do ritmo do cronobiograma, tendo em conta toda uma nova reorganização funcional alimentar, nutracêutica e de bem-estar físico e emocional.

 

Veja também: Alimentos nutracêuticos: o antivírus do ser humano

 
O nosso corpo fisiológico é influenciado pelo ciclo circadiano, que rege as vinte e quatro horas do dia.  Essa rotação afeta a nossa saúde e o nosso desempenho diário, o qual é regido por três ciclos de biorritmos* ao longo do ano.

 

1 – O Ciclo Físico, que dura vinte e três dias e afeta o sistema imunitário, a confiança, o impulso sexual e a vitalidade.

2 – O Ciclo Emocional, que dura vinte e oito dias e influencia a criatividade e os estados de espírito, que são regidos pelo funcionamento hormonal.

3 – O Ciclo Intelectual, que tem a duração de trinta e três dias e influencia a função mental.

 

Ao sermos capazes de escutar o nosso corpo, podemos definir de forma simples a evolução dos ciclos do biorritmo e criar um mapa padrão desse desempenho ao longo de um ano.

 

*(Ciclos do biorritmo) A base para este cálculo foi criado no início do século 20 pelo psicólogo Vienense Hermann Swoboda e o médico Alemão, Wilhelm Fliess.

 

 

Artigo anterior

E... estamos no Natal

Próximo artigo

Lady Gaga luta pelos direitos LGBT