Home»BEM-ESTAR»CORPO»Após a gravidez posso fazer todo o tipo de exercício?

Após a gravidez posso fazer todo o tipo de exercício?

Depende do tipo de parto e se tem “sequelas” do mesmo. Conheça os exercícios que podem agravar o problema ou ajudar a soluciona-lo.

Pinterest Google+

Muitas mulheres que fazem parto vaginal apresentam queixas de enfraquecimento do soalho pélvico, principalmente em caso de episiotomia (corte).

 

Em avaliação física, mesmo que o parto tenha sido normal, sem episiotomia e sem cesariana, muitas vezes é detetado afastamento das fibras do reto do abdómen, junto ao umbigo (diástase abdominal).

 

A distensão abdominal inerente à progressão da gravidez, muitas vezes. não é totalmente recuperada por falta de movimentos ou exercícios que permitem repor o equilíbrio da musculatura.

 

Para um profissional aferir esta alteração neuromuscular, é necessário fazer algumas perguntas simples relacionadas, por exemplo, com contenção urinária, tal como realizar palpação da musculatura abdominal para detetar se persiste afastamento das fibras musculares. Estas práticas não são normalmente abordadas ou conduzidas numa avaliação simples nos ginásios em geral, por serem consideradas, culturalmente, demasiado intrusivas.

 

Veja também: Estudo revela consequências negativas da episiotomia

 

Uma vez solicitada esta abordagem a um profissional do exercício que tenha estudado mecânica, fisiologia e anatomia da gravidez, e mediante uma alteração da musculatura pélvica, existirão, naturalmente, indicações e contraindicações que deveriam ser transmitidas à mulher:

 

Que atividades físicas genéricas poderão agravar o problema?

1- Atividades de alto impacto, principalmente quando muito repetitivas, poderão propiciar o agravamento.

2- Atividades com cargas máximas, sem progressão, e sem ter em conta o fortalecimento prévio da musculatura pélvica.

 

Que atividades poderão ajudar a recuperar a tonicidade desta musculatura?

1- Exercícios respiratórios poderão ser bastante produtivos na recuperação da musculatura pélvica; poderá realizar alguns destes exercícios nas aulas de pilates e yoga, por exemplo.

2- Se optar pelo treino personalizado, a opção em que a recuperação é mais rápida, poderá procurar um profissional que saiba conduzir uma sessão com técnicas hipopressivas, por exemplo.

 

Veja também: A gravidez das celebridades

 

Não deixe de falar sobre o seu caso ao seu professor, caso tenha sintomas de enfraquecimento da musculatura pélvica (como perdas de urina em esforços intensos ou quando espirra, por exemplo) ou da musculatura abdominal. Caso tenha formação de hérnias, sejam abdominais, umbilicais, inguinais ou discais, transmita sempre estas informações ao seu professor, para que ele possa adequar o trabalho de forma a contribuir para a recuperação do problema, e não para o seu agravamento.

 

Artigo anterior

Quando o inútil se transforma em algo novo

Próximo artigo

Cientistas querem criar uma 'pílula de exercício'