Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Apenas azar? Pacientes com cancro apontam ‘destino’ como terceira causa mais provável

Apenas azar? Pacientes com cancro apontam ‘destino’ como terceira causa mais provável

Estudo australiano e vietnamita compara perceções dos doentes com cancro sobre a causa da sua doença. O tabaco foi listado em quinto lugar como causa da doença. A análise internacional conclui que as mensagens de saúde não estão a passar convenientemente aos cidadãos.

Pinterest Google+

Fumar, exposição ao sol, dieta inadequada, consumo de álcool e falta de exercício físico são fatores de risco comprovados para muitos tipos de cancro, mas novas pesquisas mostram que essa mensagem não está a chegar a muitos pacientes, apontando estes o ‘destino’ ou ‘azar’ como uma das causas para a sua doença.

 

De acordo com um estudo internacional liderado pela Universidade de Newcastle, na Austrália, e pelo Instituto do Cancro do Vietname, e que envolve também a Universidade da Austrália do Sul (UniSA), os pacientes com cancro na Austrália apontam o azar ou o destino como a terceira causa mais comum de cancro, logo a seguir à idade e à história da família.

 

VEJA TAMBÉM: DO AÇÚCAR AO ALCALINO: MITOS DESMISTIFICADOS SOBRE CANCRO

 

O estudo comparou as perceções de 585 pacientes com cancro na Austrália e no Vietname, analisando diferenças entre 25 possíveis crenças sobre o que pode ter causado a sua doença. Quase metade dos pacientes australianos com cancro acreditavam que “envelhecer” era a principal causa do cancro, enquanto a maioria dos pacientes vietnamitas citaram “dieta pobre” como o principal fator contribuinte para desenvolver a doença.

 

No geral, o tabagismo foi classificado como a quinta causa mais provável e o álcool a nona causa mais provável. Isto apesar das repetidas mensagens de saúde que informa que muitos cancros são evitáveis, uma vez que ​​e o álcool e o tabaco são fatores de alto risco para desenvolver a doença.

 

O responsável pela pesquisa na UniSA, o professor David Roder, diz que existem muitos conceitos errados sobre o que causa o cancro: «Infelizmente, a compreensão das pessoas sobre muitos fatores de risco relacionados com o cancro é modesta ou baixa. As crenças das pessoas sobre o que pode ter causado o seu cancro são complexas e provavelmente afetadas por vários fatores, incluindo crenças culturais».

 

VEJA TAMBÉM: ALIMENTOS QUE AJUDAM A BAIXAR O RISCO DE CANCRO

 

A pesquisa revelou algumas diferenças significativas entre pacientes com cancro na Austrália e no Vietname incluindo:

– “Envelhecer” foi listado como a principal causa de cancro pelos pacientes australianos; os pacientes vietnamitas classificaram esta hipótese em 10º lugar;

– “Dieta pobre” foi a principal causa percebida entre os pacientes vietnamitas, enquanto os australianos classificaram a dieta em 11º lugar;

– A “poluição do ar” foi listada como a segunda principal causa de cancro pelos participantes vietnamitas, enquanto os pacientes australianos a listaram em 10º lugar;

– Os australianos classificaram o “álcool” como o 12º fator contribuinte e a “falta de exercício” como o 17º. Os vietnamitas listaram “álcool” em 7º lugar e “falta de exercício” em 12º lugar.

– As duas culturas deram classificações semelhantes em apenas quatro áreas: tabagismo (5º no geral), doença mental (20), medicação prescrita (23) e lesão ou trauma físico (25).

 

VEJA TAMBÉM: CANCRO DO PULMÃO: OITO EM CADA DEZ CASOS SÃO DIAGNOSTICADOS EM FUMADORES

 

A pesquisadora da Hunter Medical Research Institute, Alix Hall, uma das líderes do estudo, diz que uma proporção substancial dos pacientes australianos (27%) e vietnamitas (47%) mantinham opiniões fatalistas sobre as possíveis causas de seu cancro: «Na amostra australiana, o azar ficou em terceiro lugar e na amostra vietnamita ficou em quinto. Isto é preocupante porque sugere que eles acreditam que têm pouco controlo sobre sua saúde. Isso pode afetar a vontade de mudar o seu comportamento quando se trata de dieta e estilo de vida e influenciar as suas decisões relacionadas com o tratamento e / ou cuidados».

 

Os pesquisadores dizem que os resultados do estudo sublinham por que as campanhas de saúde pública precisam de destacar informações precisas sobre as possíveis causas do cancro.

 

 

 

Artigo anterior

Feira Ambiente mostra tendências mundiais em bens de consumo

Próximo artigo

Está numa relação tóxica e sem futuro?