Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»ANP|WWF pede seis desejos ambientais à Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia

ANP|WWF pede seis desejos ambientais à Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia

No arranque da 4ª Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, que decorre no primeiro semestre de 2021, a organização de conservação da natureza pede uma agricultura mais amiga do ambiente, a natureza de volta, oceanos mais saudáveis, mais água, um clima mais verde e um futuro mais justo.

Pinterest Google+

No arranque da Presidência Portuguesa do Conselho Europeu, a ANP|WWF partilhou com o Primeiro-Ministro, vários ministérios e outros responsáveis governamentais as suas expectativas para a liderança da Presidência Portuguesa do Conselho Europeu, nos próximos seis meses, pedindo para os portugueses e para todos os europeus um futuro mais justo, onde ninguém deve ser deixado para trás, onde a Natureza está no centro de todas as decisões e onde a ligação estreita entre a Natureza e os Direitos Humanos é respeitada.

 

Ângela Morgado, diretora executiva da ANP|WWF, refere que «temos uma enorme expectativa nesta Presidência e no desempenho do nosso Governo. A pandemia demostrou como a saúde humana está intimamente ligada à relação que temos com o ambiente. A União Europeia tem sido firme no objetivo de garantir que a recuperação económica vai tornar a nossa economia e a nossa sociedade mais resiliente e mais inclusiva, e agora é o momento para o nosso Governo assumir um papel de liderança nessa reconstrução, que assegure uma economia climaticamente neutra, que proteja e restaure a natureza, a saúde e o bem-estar das pessoas sem deixar ninguém para trás. Esperamos que a Presidência de Portugal lidere esta Transição Verde sem hesitações».

 

Lista de desejos: 

Que a Presidência Portuguesa do Conselho Europeu em 2021 traga uma agricultura mais amiga do ambiente!

  • Que defenda a Biodiversidade: incorporando a Estratégia Do Prado Ao Prato e evitando que a agricultura continue a ser uma das principais causas da perda de biodiversidade;
  • Mais Sustentável – incluindo uma gestão responsável da água e dos solos;
  • Mais Justa e Equitativa – eliminando subsídios perversos e condicionando os restantes aos objetivos do Pacto Ecológico Europeu.

 

Que a Presidência Portuguesa do Conselho Europeu em 2021 traga a natureza de volta! 

  • Promovendo a Natureza Positiva  –  travando a degradação da natureza e defendendo um quadro global ambicioso para a biodiversidade em 2030, para que a recuperação dos ecossistemas seja superior à sua degradação.
  • Comprometendo-se com a Natureza – assumindo um compromisso firme com uma rede de áreas protegidas cobrindo 30% da terra e igualmente do mar.
  • Protegendo Habitats e espécies –  desincentivando medidas que coloquem em causa os habitats e espécies ameaçados.

 

Que a Presidência Portuguesa do Conselho Europeu em 2021  traga oceanos mais saudáveis!

  • Promovendo o crescimento azul – uma Economia Azul que proteja a sua base biofísica, promovendo Áreas Marinhas Protegidas como zonas privilegiadas de conservação de espécies e habitats.
  • Promovendo um Oceano sem Plástico – assumindo passos concretos para que a Europa lidere um tratado global que combata a poluição por plásticos nos Oceanos.
  • Liderando a Pesca sustentável – assegurando que o peixe e marisco que chega à mesa dos europeus é pescado de forma legal e sustentável.

 

Que a Presidência Portuguesa do Conselho Europeu em 2021 traga um futuro com mais água para a Europa!

  • Assumindo um papel cimeiro na Estratégia de Adaptação às Alterações Climáticas – incluindo soluções que previnam inundações e secas e diminuam a escassez hídrica que muitos já enfrentam.
  • Condicionando os Subsídios Europeus – através de práticas amigas do solo e do ciclo da água, e investimentos que garantam a recompensa económica justa para quem faz bom uso da água.
  • Evitando a construção de barragens – encorajando os restantes Estados-membros a não incluírem nos seus Planos de Recuperação e Resiliência a construção de mais barragens ou centrais hidroelétricas, e promovendo a remoção de barreiras obsoletas ao livre fluxo dos rios.

 

Que a Presidência Portuguesa do Conselho Europeu em 2021 traga um futuro mais verde para a Europa!

  • Assumindo a meta de 65% de redução de GEE – a futura lei do clima deve assumir a meta de redução em 65% das emissões na Europa até 2030, excluindo os sumidouros.
  • Dizendo não à energia fóssil e nuclear- cancelar apoios ao gás fóssil e ao nuclear, por serem fontes não-renováveis de energia e geradoras de graves problemas ambientais.
  • Defendendo que todos os apoios e investimentos devem estar alinhados com as ambições do Pacto Ecológico Europeu – direcionando os fundos da UE para atividades económicas totalmente sustentáveis e/ou que promovam a mudança de atividades insustentáveis para atividades sustentáveis.

 

Que a Presidência Portuguesa do Conselho Europeu em 2021 traga um futuro mais justo para todos!  

  • Ninguém deve ser deixado para trás: as medidas ambiciosas de adaptação e mitigação devem ser inclusivas e respeitosas para com as comunidades afetadas pelas alterações climáticas e degradação da biodiversidade.
  • A Natureza deve estar no centro de todas as decisões – o nosso modelo de crescimento económico deve estar alicerçado em medidas que não prejudiquem mais o nosso clima e a biodiversidade.
  • Uma ligação estreita entre a Natureza e os Direitos Humanos, respeitando o direito a uma vida ambientalmente saudável e as expectativas ambientais dos europeus, promovendo uma vida mais equilibrada, mais justa e mais segura.

 

 

Artigo anterior

Novo confinamento já está a custar mais de um milhão de euros ao setor dos eventos

Próximo artigo

Não é só a malagueta. Os alimentos picantes que fazem bem à saúde