Home»ATUALIDADE»ENTREVISTAS»Ana Castro: «A infeção pelo HPV está a ganhar dimensão nos casos de cancro de cabeça e pescoço»

Ana Castro: «A infeção pelo HPV está a ganhar dimensão nos casos de cancro de cabeça e pescoço»

No dia 27 de julho, assinala-se o Dia Mundial de Cancro de Cabeça e Pescoço. Motivo para esclarecer algumas dúvidas com a presidente do Grupo de Estudos de Cancro da Cabeça e Pescoço, que nos alerta para a incidência desta patrologia em pessoas cada vez mais jovens, mas também que as taxas de sucesso são altas quando diagnosticado a tempo.

Pinterest Google+

Anualmente, surgem cerca de 3000 novos casos deste tipo de cancro no nosso país e morrem três doentes por dia. Contudo, apesar da gravidade, existe ainda pouca consciência deste tipo cancro, nomeadamente as localizações possíveis e o seus primeiros sinais e sintomas. Por esta razão, 60% dos doentes com cancro de cabeça e pescoço são diagnosticados numa fase avançada com uma esperança média de vida de cinco anos.

 

Contudo, as boas notícias é que quando diagnosticado numa fase inicial, o tratamento deste tipo de cancro tem uma taxa de sucesso entre os 80 e 90%.  Por isso, o desafio passa por esclarecer a população para que saibam reconhecer os primeiros sinais e sintomas.

 

Por outro lado, esta patologia, normalmente associada a homens com mais de 50 anos, fumadores e consumidores regulares de bebidas alcoólicas, está a mudar a sua incidência. Hoje em dia, estes tumores estão a aparecer em pessoas mais jovens, entre os 30 e 45 anos, que não fumam e não bebem ou bebem pouco. A incidência da relação entre o Vírus do Papiloma Humano e o cancro de cabeça e pescoço tem vindo a aumentar a nível mundial, razão que investigadores e médicos indicam estar na origem de atingir cada vez mais jovens.

 

VEJA TAMBÉM: MITOS DESMISTIFICADOS SOBRE O CANCRO

 

 

Quais os sintomas a que se deve estar atento?

Os sintomas mais comuns são um inchaço ou uma ferida na cavidade oral, dificuldade em engolir, dores de ouvidos, rouquidão ou dores de garganta incessantes.

Contudo, podemos falar ainda de outros sinais de alerta como o aparecimento de manchas brancas ou vermelhas nas gengivas, palato, língua ou parede interna da cavidade oral, obstrução nasal permanente, dores de cabeça persistentes e um aumento de volume de glândulas salivares.

 

Quais os fatores de risco para desenvolver esta patologia?

Este tipo de cancro sempre foi associado a indivíduos que consomem álcool com regularidade e fumam. Contudo, a infeção pelo Vírus do Papiloma Humano (HPV) está a ganhar dimensão nos casos de Cancro de Cabeça e de Pescoço.

 

Quais as principais áreas da cabeça onde se diagnostica este tipo de cancro?

O Cancro de Cabeça e de Pescoço agrupa todos os cancros das vias aerodigestivas superiores: cancro da laringe, o cancro da cavidade oral, cancro da língua, cancro da orofaringe, cancro das glândulas salivares, cancro da hipofaringe e das fossas nasais.

Os tumores mais frequentes são os da laringe, da cavidade oral, da língua, da orofaringe e das glândulas salivares.

 

VEJA TAMBÉM: JÁ CONHECE O CÓDIGO EUROPEU CONTRA O CANCRO?

 

Que mensagens é preciso transmitir para alertar a população para esta patologia?

As mensagens a partilhar passam por ter em consideração os comportamentos de risco, como garantir uma boa higiene bucal com um acompanhamento regular de um dentista, não fumar, evitar o consumo de bebidas alcoólicas, garantir uma dieta em frutas e legumes, apresentar cuidados na exposição solar e na prática sexual utilizar proteção.

É importante fazer rastreios ou consultar o seu médico caso tenha alguns dos sintomas mais comuns durante mais de três semanas. Afinal, a prevenção é o melhor tratamento e a nossa saúde não pode sair do nosso foco de atenção.

 

Qual a relação entre o HPV e o cancro de cabeça e pescoço? Porque está a aparecer em pessoas mais jovens?

A tendência que se tem verificado com este tipo de tumores, a aparecer em indivíduos mais jovens, está relacionada com o HPV. O HPV tanto pode infetar homens como mulheres e é facilmente transmitido por contacto genital, sendo o principal responsável por infeções genitais. Estima-se que 75 a 80% das pessoas sexualmente ativas já tenham tido contacto com este tipo de vírus.

A infeção pelo Vírus do Papiloma Humano (HPV) está a ganhar dimensão nos casos de Cancro de Cabeça e Pescoço e estima-se que até 2020 esta seja a maior causa deste tipo de cancros e esta tendência justifica-se pela prática de sexo oral, sem proteção e com múltiplos parceiros

 

Diagnosticado a tempo, qual o prognóstico?

Numa fase inicial a taxa de sucesso ronda entre os 80 e 90% e, com um bom acompanhamento físico e psicológico, as notícias são muito positivas.

Artigo anterior

Previsões astrológicas para o mês de agosto de 2018

Próximo artigo

Lendários avistamentos extraterrestres levam festa à aldeia histórica de Castelo Novo