Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Amor pós-pandemia

Amor pós-pandemia

Encontrar a “alma gémea” neste novo mundo que vivemos pode constituir-se como algo verdadeiramente complexo, mas não impossível.

Pinterest Google+

A falta de contatos sociais, a dificuldade de contato físico podem constituir-se verdadeiras barreiras a todo este processo. Os primeiros beijos, as caricias são claramente dificultados por uma máscara, pela distância de segurança, pelo desinfetante ou simplesmente limitados pelo receio da COVID-19. O romantismo e a magia destes momentos podem claramente perder o brilho e o medo do contágio interferir com a liberdade individual e com a expressão do afeto.

 

No entanto, independentemente de tudo, há algo evidente: o amor é possível em qualquer contexto. O ser humano é um ser social e tem necessidade de estabelecer relações e procurar o amor. Como tal desenvolverá sempre estratégias para ultrapassar as barreiras que se lhe colocam.

 

A solução parece estar “à distância de um clique” … ou seja através de novas tecnologias e das plataformas online, verdadeiros “bálsamos” para lidar com a nova realidade, construir sonhos e fomentar a esperança. São estas plataformas a ferramenta para conhecer, falar, seduzir, compartilhar.

 

Parece que retomamos ao século passado, outrora o amor caracterizado por cartas que os apaixonados enviavam uns aos outros que ajudavam a criar intimidade e a conhecerem-se, cartas essas que aguardavam impacientemente resposta. Agora em vez de cartas são apenas mensagens. A evolução dos tempos faz que não se espere meses pelas cartas, mas sim minutos pelas notificações.

 

O telemóvel torna-se no melhor aliado, e o amor romântico com tempo para conversar e escrever parece estar de volta. As videochamadas substituem os encontros e torna-se fundamental adaptar-se, ser criativo e cuidadoso para ter a certeza de que aquele é o caminho.

 

Uma nova realidade a que inevitavelmente tem de se adaptar, mas não faça disso objetivo de vida. Nesta nova realidade persiga objetivos, não pessoas. Habitue-se a estar sozinho e a gostar de estar, pois isso permitir-lhe-á usufruir da maravilha de estar acompanhado.

 

Desista da ideia que só com companhia é que é feliz. Os outros acrescentam valor à sua felicidade, mas primeiro tem de estar feliz consigo. Foque-se em si, em se conhecer, em descobrir o que tem de especial e desfrute de si próprio, assim desfrutará também melhor dos outros.

 

Lembre-se, o único companheiro que temos como certo na viagem da vida somos nós próprios. Neste novo mundo, privilegie a sua companhia.

 

Artigo anterior

Devo ou não fazer depilação a laser no verão?

Próximo artigo

Pernas inchadas, vermelhidão e calor: perceba agora para evitar complicações no inverno