Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Amor e sexo: (des)encontros inevitáveis

Amor e sexo: (des)encontros inevitáveis

Por vezes congruentes e complementares, nem sempre andam de braços dados. Algumas vezes assumem rotas contraditórias, gerando sofrimento em forma de estupefação, dilemas, dúvidas e ansiedade. Conheça histórias observadas em espaço clínico.

Pinterest Google+

A crença (ou o desejo?) de estas dimensões estarem fundidas pode ser causa, algumas vezes, de muita confusão, sofrimento e atitudes paradoxais. O espaço clinico é, nesse aspeto, um local privilegiado para observar essa realidade. Senão, vejamos:

 

Um casal conta não ter envolvimento sexual há cerca de 3 anos. A razão da consulta é outra. A ausência do desejo não era o problema. Tinham acordado procurar ajuda psicoterapêutica, sem partilhar esta dimensão da sua vida. Receavam que esta ausência de contacto íntimo/sexual fosse patologizada por médicos e terapeutas.

 

Não é caso para menos. Também estes não estão imunes à pressão de um padrão em que o sexo é uma obrigatoriedade para uma relação ser considerada de amor. Meses antes, talvez um ano, outro casal tinha a primeira consulta. À queixa de ausência de desejo sexual da parte dele (razão de sofrimento para os dois), havia então uma angústia maior. Numa anterior abordagem de casal fora posta em causa a solidez da ligação afetiva no casal. Mais: fora apontada como causa única para a alteração do desejo sexual do homem. Não ficaram imunes ao impacto da sentença. Sentiam, no entanto, amor, partilhavam a intimidade e reconheciam a importância do outro na sua vida.

 

Veja também: Está numa relação saudável ou prejudicial? As 12 diferenças

 

Numa crise conjugal, um casal com dois filhos, decide, por iniciativa da mulher, ter relações sexuais todos os dias. Já não acontecia desde a fase do enamoramento, aos 18 anos de idade. Mesmo que não existisse vontade, ou que o cansaço do dia impusesse outros desejos, tinham acordado não terminar o dia sem que o encontro sexual acontecesse. “Se há Amor, há desejo”, aprendera. Porventura, sentindo o desejo dele, sentir-se-ia também amada. Uma espécie de cura pelo sexo que, neste caso, agudizou a maleita. O desinteresse pelo ato sexual aumentou, assim como a frustração. Tornara-se difícil comunicar e o verdadeiro problema não era reparado: estava insegura relativamente ao amor e admiração da parte do marido.

 

Perto dos 50 anos de idade, um homem procura ajuda psicoterapêutica pela primeira vez. Ao longo da vida, o desinteresse erótico instalara-se sempre após a fase da conquista, levando-o a procurar novos encontros. Tem, contudo, agora, uma relação em que quer investir. Sente amor e cumplicidade. O desejo erótico, como sempre aconteceu, foi-se desvanecendo, originando dificuldades relacionais, mas os laços afetivos que o ligam àquela pessoa fazem-no querer investir na construção de uma relação diferente das que teve até agora.

 

Com 28 anos de idade, bem-sucedido profissionalmente e apaixonado, um jovem queixa-se ansiosamente de uma disfunção eréctil. Nunca havia acontecido. Também nunca tinha estado assim apaixonado. Era-lhe difícil erotizar aquela pessoa. Mais difícil ainda era funcionar sexualmente sob a pressão da ideia que em segredo ruminava: ela nunca gostaria verdadeiramente de alguém que “fraquejasse” assim. Os medos de um amor não correspondido eram sem dúvida o mais doloroso e o principal estímulo da sua ansiedade.

 

Veja também: Os quatro inimigos de uma relação

 

Um outro rapaz, com 17 anos de idade, evita qualquer tipo de envolvimento mais profundo. Apesar das oportunidades surgidas e de o desejar, não iniciou a vida sexual. Desde o início da adolescência que se sentia admirado e reconhecido por todos os pares. Ser bonito e popular subjugou-o a uma espécie de ditadura a que se autoimpunha. Receava mostrar-se frágil, temia banalizar-se aos olhos dos outros. Sentir-se amado é o desejo fundamental neste rapaz, assim como na adolescência.

 

Na verdade, a necessidade de ser amado é um dos desejos mais fundamentais do ser humano; assim como o sentimento de pertença e de construção de relações íntimas sólidas. A sexualidade, o prazer ou o sexo, são um outro desejo ou impulso que pode ser fundamental. Ambos são mobilizadores. Mas podem entrar facilmente em contradição. Se em determinados momentos da nossa vida podem fundir-se (amor e sexo), dirigindo-se a uma só pessoa, em outros podem tomar direções opostas ou coexistir de uma forma aparentemente paradoxal. Podem nascer um do outro, ou não serem coincidentes. Raramente mantêm a mesma intensidade e constância no tempo de vida de um casal, obrigando, portanto, sempre a novos equilíbrios.

 

 

Artigo anterior

Descubra porque é o café um dos melhores amigos da sua pele

Próximo artigo

O que torna um homem atraente?