Home»VIDA»SOCIEDADE»Amigos no Facebook podem induzir a comportamentos de risco

Amigos no Facebook podem induzir a comportamentos de risco

Estudo nos Estados Unidos analisou influência das redes sociais no comportamento dos jovens

Pinterest Google+
PUB

Os jovens que vêem nas redes sociais na internet, como o Facebook e o Myspace, fotos de amigos a fumar e a consumir álcool são mais propensos a fumar e beber também, concluiu um estudo publicado esta terça-feira nos Estados Unidos.

“O nosso estudo mostra que os adolescentes podem ser influenciados para fumar ou consumir álcool pelas imagens dos seus amigos online”, disse Thomas Valente, da Universidade do Sul da Califórnia, principal autor do estudo. “Até onde sabemos, este é o primeiro estudo que aplica métodos de análise das redes sociais para examinar como as atividades dos adolescentes nas redes sociais influenciam o seu consumo de tabaco e álcool”, acrescentou.

Valente e sua equipa chegaram a esta conclusão através de uma consulta feita com 1.563 estudantes do distrito de El Monte Union High School, em Los Angeles, entre outubro de 2010 e abril de 2011.

Os cientistas observaram que o tamanho da própria rede virtual de amigos não é um fator importante associado a comportamentos de risco, mas estas estavam relacionadas com a exibição de fotos online de amigos em festas ou a beber. “A evidência sugere que o comportamento online dos amigos é uma fonte viável de influência nos pares”, disse Grace Huang, um dos pesquisadores. “Isto é importante saber, já que 95% dos adolescentes entre 12 e 17 anos nos Estados Unidos acedem à internet todos os dias, e 80% destes jovens usam as redes sociais online para comunicar”, continuou.

Entre os estudantes que responderam à entrevista, com idade média de 15 anos, cerca de dois terços eram hispânicos e quase um quarto asiáticos, mais ou menos a mesma distribuição étnica de El Monte. Em abril de 2011, cerca de 30% dos entrevistados tinham fumado e mais da metade tinha ingerido pelo menos um pouco de álcool. O estudo foi publicado esta terça-feira na edição online da revista Journal of Adolescent Health.

AFP

Artigo anterior

Uma atriz portuguesa em São Paulo

Próximo artigo

A nova Avenida da Liberdade