Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Alternativas implantológicas em casos de extrema atrofia óssea

Alternativas implantológicas em casos de extrema atrofia óssea

Os implantes dentários requerem osso suficiente para serem devidamente estabilizados. Para alguns pacientes, o tratamento com implantes não seria uma opção sem antes ter um aumento ósseo horizontal e/ou vertical. Conheça as várias soluções.

Pinterest Google+

O porquê da perda de osso na cavidade oral

A reabsorção do osso alveolar é um problema clínico comum que pode ser um processo fisiológico ou patológico. A perda dentária provoca a reabsorção do osso alveolar e a consequência é a alteração da morfologia do rebordo. Esta alteração ocorre porque o processo alveolar tem a função de dar sustentação aos dentes, perdida esta função a sua tendência é reabsorver gradativamente.

 

Consequências da perda de osso alveolar

O desaparecimento gradual do processo alveolar envolve a redução de tamanho sagital e/ou vertical dos maxilares, levando assim a uma discrepância das relações intermaxilares e à anormalidade funcional que faz incompetentes as duas arcadas dentárias.

 

VEJA TAMBÉM: LENTES DE CONTACTO DENTÁRIAS: O QUE SÃO E INDICAÇÕES DE TRATAMENTO

 

O que fazer para reabilitar e evitar a perda óssea

A reposição de um elemento dental perdido pela instalação de implantes ossointegráveis de titânio é uma alternativa moderna que viabiliza a reabilitação funcional e estética parcial ou totalmente. No entanto, pacientes com uma quantidade óssea insuficiente remanescente fizeram parte, por muito tempo, de um grupo para o qual a reabilitação com implantes era um procedimento tecnicamente inviável. Atualmente, técnicas de cirurgia avançada propiciam uma adequada reconstrução óssea dessas áreas deficientes. Os implantes dentários requerem osso suficiente para ser devidamente estabilizado. Para alguns pacientes, o tratamento com implantes não seria uma opção sem antes ter um aumento ósseo horizontal e/ou vertical.

 

Tipos e qualidade de osso presente na cavidade oral

A quantidade e qualidade óssea presente na maxila e ou mandibula do paciente é a condição fundamental e sem dúvida uma das maiores condicionantes para a realização de um bom protocolo de submersão de implantes dentários. A falta de osso acontece ao longo da vida e é exacerbada pela perda da função mastigatória associada à perda dos dentes. Como tal, é indispensável corrigir as situações de falta de dentes e reabilitar o paciente da melhor forma possível, com enxertos ósseos ou através de outras técnicas menos interventivas e demoradas, de que iremos falar um pouco.

 

VEJA TAMBÉM: SAÚDE ORAL: CUIDADOS DIÁRIOS SEGUNDO OS MÉDICOS DENTISTAS

 

Quantidade e qualidade óssea

Diversos autores têm classificado a reabsorção óssea de diferentes graus e intensidades, com numerologias associadas à intensidade da reabsorção, tanto na maxila como na mandibula. No entanto, o que se classifica é a perda da estrutura morfológica (Atwood) associada à quantidade do osso (1 a 6). Mas também a histologia óssea (Zarb) da mais ou menos cortical/compacto ou medular/trabeculado ou esponjoso, associada á qualidade do osso (I a IV).

 

Enxerto ósseo

O enxerto ósseo tem como objetivo preencher zonas onde ocorreu reabsorção óssea para que estas possam ser devidamente reabilitadas. Este substituto ósseo pode ter diferentes origens, podendo ser humano, animal ou mesmo sintético.

Artigo anterior

Alimentos que afinal não são assim tão saudáveis

Próximo artigo

Voz: 38% do seu impacto inicial