Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Alimentos salgados aumentam a fome e não a sede

Alimentos salgados aumentam a fome e não a sede

Os resultados de um novo estudo elaborado nos Estados Unidos lançam uma nova luz sobre a resposta do corpo à ingestão elevada de sal.

Pinterest Google+
PUB

Quando come alimentos salgados tem tendência a ficar com sede e a beber água, certo? Pois saiba que a sede vai gradualmente diminuindo caso não beba água no momento porque o seu corpo começa a conservar e a produzir mais água. Esta é uma descoberta da responsabilidade de um grupo de cientistas da Universidade de Vanderbilt, Estados Unidos.

De acordo com os livros didáticos, a excreção de sal leva inevitavelmente à perda de água na urina e consequentemente à redução do conteúdo de água corporal. Mas não foi isso que os investigadores constataram com o novo estudo – pelo contrário. Mostraram que o princípio biológico da excreção de sal é na verdade conservação e produção de água.

Veja também: Crianças consomem excesso de sal

 

É preciso muita energia para conservar a água face à excreção de sal. Para fazê-lo, o corpo deve ter mais combustível ou atacar a massa muscular, o que significa que há uma maior predisposição para comer mais.

 

Entre 2009 e 2011, realizaram estudos relativos ao equilíbrio de sódio a longo prazo em astronautas russos que participavam num programa de simulação de voo espacial humano numa instalação de pesquisa em Moscovo, em preparação para um voo espacial. Inesperadamente, quando o sal foi aumentado de seis para 12 gramas por dia, os homens bebiam menos água e não mais. O que sugere a conservação ou maior produção de água.

 

Veja também: Usos alternativos para o sal 

 

Num estudo posterior realizado com ratos, os investigadores mostraram que o excesso de sal induz um estado catabólico impulsionado por glucocorticoides que quebra a proteína muscular, por sua vez convertida em ureia pelo fígado. A ureia permite que os rins reabsorvam a água e evitem a perda de água corporal enquanto o sal é expulso.

 

A perda muscular é um preço alto a pagar para evitar a desidratação. A alternativa é dar ao corpo mais combustível, isto é, comer mais. A conservação da água em resposta a uma dieta com elevado teor de sal pode ter consequências patológicas. O aumento dos níveis de glucocorticoides é um fator de risco para diabetes, obesidade, osteoporose e doenças cardiovasculares.

Artigo anterior

Novas gerações vão ao psicólogo através do telemóvel ou computador

Próximo artigo

Estudo: não é preciso ser um Steve Jobs para se ser um grande líder