Home»FOTOS»Alimentos ricos em fibras para uma boa saúde digestiva

Alimentos ricos em fibras para uma boa saúde digestiva

As fibras são bastante importantes, pois para além de serem benéficas para o intestino ajudam a perder peso, diminuir os níveis de açúcar no sangue ou a combater obstipações. Diariamente, as mulheres devem ingerir 25 gramas de fibras e os homens 38 gramas. Mas como a maioria das pessoas não ingere a quantidade diária requerida, a plataforma Authorithy Nutrition sugere um guia com 16 alimentos ricos em fibras que pode ingerir.

Pinterest Google+
PUB

A fibra dietética é descrita como uma classe de compostos de origem vegetal constituída sobretudo de polissacáridos e substâncias associadas que, quando ingeridos, não sofrem hidrólise, digestão e absorção no intestino delgado dos humanos, explica a Direção-Geral da Saúde na sua página dedicada à alimentação saudável.

 

As fibras podem ser classificadas em duas categorias, consoante a sua capacidade de se dissolverem na água. Ou seja, existem as fibras solúveis e as insolúveis. Os alimentos mais ricos em fibras solúveis são a aveia, cevada, verduras, leguminosas, maçãs e citrinos. Por outro lado, os alimentos mais ricos em fibras insolúveis são os vegetais de folha verde, cereais integrais e farelo de trigo.

 

VEJA TAMBÉM: COMA REPOLHO, MUITO REPOLHO

 

Os benefícios para a saúde são vários. Desde a sua ação benéfica para o controlo da diabetes, passando pela redução da obstipação e da melhoria de todo o trânsito intestinal. Uma vez que conferem efeito de saciedade, também está associada ao combate á obesidade, um flagelo da sociedade atual.

 

Segundo a DGS, as fibras têm ainda um efeito hipocolesterolémico, ou seja, o seu consumo leva a uma redução dos valores séricos de colesterol. De salientar também o seu feito preventivo no desenvolvimento de patologia cardiovascular e efeito protetor no desenvolvimento de cancro, especialmente, no cancro do cólon.

 

Consulte agora a galeria no início do artigo para conhecer 15 alimentos ricos em fibras.

 

Artigo anterior

Como responder aos desafios da longevidade no mercado de trabalho

Próximo artigo

Técnica de eclosão assistida eleva para 60% a taxa de sucesso de gestação de embriões