Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Alimentos nutracêuticos: o antivírus do ser humano

Alimentos nutracêuticos: o antivírus do ser humano

Sendo o nosso corpo uma máquina complexa, ele precisa de adaptação e cuidados em cada estação, quer na forma como nos alimentamos, quer na forma como nos vestimos e socializamos.

Pinterest Google+

Ao longo das 24 horas, recebemos através da retina do olho a informação que leva o nosso corpo a reagir influenciado pelos sincronizadores sociais e pelo estímulo de luz, que vão gerar novos fatores epigenéticos. Durante o ciclo de luz, as células prepararam-se para o gasto energético, na fase que corresponde entre as 05h e as 17horas, e para a fase da regeneração, entre as 17h e as 05 horas.

 

O hipotálamo é o nosso relógio principal e é ele quem aciona o comando da ativação hormonal (cortisol), composto por quatro picos, sendo eles o despertar, às 12horas, às 16horas e às 20 horas, que corresponde às secreções diárias das diversas hormonas.

 

Veja também: Saiba como substituir a manteiga na sua alimentação

 

A ativação celular dá-se como resposta às diversas necessidades do organismo. São elas musculares ou energéticas, correspondendo ao gasto energético da célula no ciclo dia, ou deverá regenerar-se e multiplicar-se de acordo com a rotação das 24horas, no ciclo noite, onde se desenvolve o armazenamento dos micronutrientes.

 

A ativação neuropsíquica dá-se através dos neuromediadores, que são a melatonina e a serotonina, sendo estes acionados pela fase do despertar e do sono.

 

Veja também: Alimentos que fortalecem o sistema imunitário  

 

Tal como os nossos computadores, também esta máquina chamada corpo humano precisa de ter um sofisticado antivírus, que são os alimentos nutracêuticos que nos vão manter em estado de alerta contra os invasores. Com mais ou menos conhecimento, todos nós temos acesso a esses alimentos tão funcionais no equilíbrio e na boa manutenção da nossa saúde.

 

O ideal é juntarmos a sabedoria, o prazer e a prevenção, tudo em união na mesma mesa ao longo do dia, e com isso sentirmos que estamos a cuidar de nós e da saúde da nossa família.

Artigo anterior

Alimentação sem desperdícios

Próximo artigo

Psicofármacos e os jovens: Pensar para quê?