Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»Alimentos funcionais – prebióticos, probióticos e simbióticos

Alimentos funcionais – prebióticos, probióticos e simbióticos

Pinterest Google+

O que são alimentos funcionais?

Na última década do século XX, surgiram novos conceitos em nutrição, devido aos novos estilos de vida e à preocupação de aumentar a qualidade de vida dos indivíduos.

 

A inter-relação de algumas disciplinas como a bromatologia, a biologia molecular, a biotecnologia, entre outras, com a nutrição permitiu que as indústrias alimentares desenvolvessem novos produtos com funções adicionais aos dos produtos tradicionais.

 

O conceito de ‘alimento são’ definido como aquele alimento livre de risco para a saúde e que mantém as características nutricionais, o flavour, a pureza e a frescura, passa então para outro conceito mais atual de “alimento funcional”, descrito como aquele produto ou alimento modificado que promove melhores benefícios para a saúde em comparação com os alimentos tradicionais. O efeito positivo dos alimentos funcionais pode ser tanto para manter o estado de saúde do indivíduo, como também para reduzir o risco de padecer de uma patologia.

 

O aparecimento dos alimentos funcionais constitui uma oportunidade real de contribuir e melhorar a qualidade da alimentação e a seleção de alimentos que podem afetar positivamente a saúde e o bem-estar dos indivíduos. É importante referir que um alimento pode ser funcional para uma população em geral ou para grupos em particular de uma população, definidos pelas suas características genéticas, idade, sexo e outros factores.

 

Qualquer definição de alimento funcional deve convergir para: aquele alimento que tem um impacto positivo na saúde do indivíduo, quer na prevenção, quer na cura de uma patologia, ou seja, assume uma função específica, para além da função básica de ‘nutrir’. Assim, dentro da gama de alimentos funcionais estão incluídos os prebióticos, probióticos, simbióticos e outros.

 

Prebióticos

Os prebióticos são alimentos/nutrimentos não digeríveis da alimentação. Produzem efeitos benéficos, estimulando seletivamente o crescimento e/ou a atividade de um ou mais tipos de bactérias do cólon, principalmente as do género Bifidobacterium; estas por sua vez têm ações de beneficiar a saúde do hospedeiro.

 

Os prebióticos são definidos como hidratos de carbono complexos não digeríveis existentes nos vegetais e legumes, uma substância aparentemente inerte que pode ser fermentada por algumas bactérias, mas não é hidrolisada pelas nossas enzimas digestivas, pelo que não é absorvida pelo nosso organismo.

 

Para que uma substância (ou grupo de substâncias) possa ser definida como tal, deve cumprir os requisitos seguintes:

– Ser de origem vegetal

– Formar parte de um conjunto muito heterogéneo de moléculas complexas

– Não ser desdobrada pelas enzimas digestivas do homem

– Ser parcialmente fermentada pelas bactérias do cólon

– Ter alguma atividade osmótica.

Artigo anterior

Celebridades promovem alimentos pouco saudáveis

Próximo artigo

Sara Sampaio vende produtos a favor do bem-estar animal