Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Alenquer cria Confraria Gastronómica da Codorniz

Alenquer cria Confraria Gastronómica da Codorniz

O anúncio foi feito à margem da entrega dos certificados de participação da 8.ª Quinzena Gastronómica da Codorniz de Alenquer.

Pinterest Google+
PUB

Durante o próximo ano, vai ser criada a Confraria Gastronómica da Codorniz de Alenquer. O projeto, de cariz municipal, vai envolver parceiros e agentes económicos do concelho, tendo em vista a consolidação da codorniz como marca da gastronomia alenquerense.

 

O anúncio foi feito por Rui Costa, vereador com o pelouro da cultura, à margem da entrega dos certificados de participação da 8.ª Quinzena Gastronómica da Codorniz de Alenquer.

 

A iniciativa, que decorreu entre 1 e 15 de novembro, voltou a bater recordes. Pela primeira vez, foi ultrapassada a barreira das 8 mil codornizes vendidas, o que representou um crescimento de pelo menos 4%, por comparação com a edição anterior.

 

Estes números ganham ainda maior relevância, pelo facto de o número de restaurantes aderentes ter sido ligeiramente inferior (31), quando comparado com a edição de 2021 (33). Para o município, trata-se de um marco importante e que ajuda a explicar a constante aposta na dinamização do evento, ano após ano.

 

“Desde 2019, temos vindo a crescer em número de codornizes vendidas e verificou-se de novo um aumento este ano, que foi um pouco menos substancial, mas que mostra o crescimento da Quinzena, que é o mais importante”, referiu Rui Costa.

 

Através da Quinzena Gastronómica da Codorniz, Alenquer procura impulsionar a codorniz como marca gastronómica e difundir a cultura e tradição alenquerenses, assentes na valorização da qualidade dos produtos endógenos e na arte dos chefs locais, numa combinação com os vinhos do concelho.

 

Ao longo do certame, houve propostas para todos os gostos e carteiras, sendo que o apelo à criatividade tem sido renovado a cada edição e os restaurantes têm feito um grande esforço no sentido de acrescentar novidade aos pratos, sem nunca descurar do elemento principal, a codorniz, naturalmente.

 

“Há um investimento grande das pessoas, que continuam a aplicar-se e que respeitam a identidade dos restaurantes, permitindo apresentar propostas variadas. Ainda assim, continua a haver margem para inovar e para consolidar a ideia de ter a codorniz nas cartas ao longo do ano. Só assim se consegue criar marca e temos feito um caminho ganhador nesse sentido”, sublinhou o vereador.

 

 

Artigo anterior

O reforço do sistema imunitário começa na microbiota

Próximo artigo

Black Friday: medidas de segurança para sobreviver à loucura das compras