Home»COVID-19»AIR4ALL: o ventilador português sem fins lucrativos já tem protótipos

AIR4ALL: o ventilador português sem fins lucrativos já tem protótipos

Investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência, da Fundação Champalimaud, do I.S Técnico, Morphis Composites, Lunae Mons, Dental Milling Technology integram este “consórcio” informal. Os próximos passos são a aferição e validação do protótipo, certificação e angariação de fundos para produção e distribuição. Depois poderão produzir, a baixo custo, 7 a 10 ventiladores por dia que serão oferecidos gratuitamente a todos os hospitais do país.

Pinterest Google+
PUB

Já existem protótipo do AIR4ALL, um ventilador português sem fins lucrativos criado para dar resposta à pandemia de Covid-19. Pedro Monteiro, mentor do projeto, coordenou uma equipa de dezenas de voluntários especializados (médicos, advogados, farmacêuticos, informáticos, designers…) empresas e outras entidades para criar o protótipo, que foi concebido em tempo record – arrancou a 13 de março.

 

Acontece que o carácter extraordinário desta corrida contra o tempo não se fica por aqui… Trata-se de uma incrível história sobre a capacidade de sonhar o impossível, de sentido de missão, de resiliência, de solidariedade, de abnegação, de trabalho em equipa e de trabalho, muito, muito, muito trabalho!

 

O ponto de partida era simples: desenvolver um aparelho que garanta a ventilação de doentes críticos atacados pelo novo coronavírus e que, simultaneamente, fosse fiável, ao menor custo possível e que pudesse ser construído em massa em qualquer ponto do globo e em tempo útil, para ajudar a salvar o maior número de vidas possível. Mas o impossível foi-se revelando possível, e, em apenas duas semanas, a trabalhar sem horários e com uma equipa de voluntários a enriquecer-se todos os dias… os protótipos estão aí, já a funcionar e dispostos a provar ao que vêm.

 

VEJA TAMBÉM: DE PORTUGAL PARA O MUNDO: MÚSICA ‘ANDRÀ TUTTO BENE’ É GRITO DE ESPERANÇA

 

As premissas iniciais foram alcançadas: utilização de um sistema em código aberto, para poder ser reproduzido em vários cenários; utilização de componentes certificados; sem qualquer restrição técnica na assistência à respiração; sem interesse comercial. Agora vem aquela que deverá ser a parte menos difícil: obter a notificação de DM do Infarmed e espalhar a notícia pelo mundo, para que, onde os ventiladores fizerem falta, pessoas, empresas ou entidades se possam mobilizar, garantir o financiamento e avançar para a produção utilizando este projeto – em código aberto (de utilização livre) – para fabricarem os ventiladores necessários.

 

Neste momento os protótipos já estão em testes e os responsáveis do projeto estão em contacto com o Infamed para obter a notificação DM. Assim que tiverem notificação, e no que diz respeito a Portugal Air4all Portugal com o apoio de várias empresas portuguesas (fábricas de injeção de plástico, de estampagem de chapas, de produtos hospitalares, fábricas de cablagens e de fabrico de PVC) tem condições para produzir, a baixo custo, 7 a 10 ventiladores por dia que serão oferecidos gratuitamente a todos os hospitais do País.

 

VEJA TAMBÉM: DEPOIS DA QUARENTENA: OS PRIMEIROS DESEJOS DOS PORTUGUESES SÃO AS COISAS MAIS SIMPLES

 

UM GRANDE PROJETO – UMA GRANDE HISTÓRIA

Tudo começou na cabeça de Pedro Monteiro, que, além de CEO da Morphis Composites com competências especiais na área da engenharia mecânica, é um triatleta conhecido pelo espírito solidário e pela resiliência. Com o aparecimento da COVID-19, observando a progressão da doença e o escalar de casos mais graves a necessitar de ventilação em outros países, Pedro Monteiro rapidamente percebeu que não existiam ventiladores disponíveis para compra em Portugal.

 

Foi neste momento que, já com Miguel Loreto, consultor financeiro, decidem avançar com o projeto de criação e produção de ventiladores acessíveis. Ana Filipa Paulino, médica dentista e mulher de Pedro Monteiro junta-se, reforça o espírito de equipa e acrescenta competências em várias áreas, incluindo comunicação, talentos e recursos humanos e financiamento.

 

Entretanto, Helena Simão de Almeida, farmacêutica de profissão, ao tomar consciência da necessidade de ventiladores em Portugal lançou um apelo no Facebook para a sua aquisição…. Mal soube deste apelo, Pedro Monteiro, partilhou com Helena a vontade de desenvolver o projeto para fabrico de ventiladores e, nesse instante, a equipa ganhava novas competências e um novo ímpeto, com Helena a gerir a área regulamentar de dispositivos médicos e a reforçar a comunicação.

 

VEJA TAMBÉM: VIROLOGISTA RESPONDE ÀS PRINCIPAIS PERGUNTAS SOBRE O NOVO CORONAVÍRUS

 

Este núcleo-duro cria então as linhas orientadoras para otimizar recursos e tempo e o projeto arranca com a máxima força: no dia 13 de março de 2020, nasce o projeto Air4All, o sonho de um ventilador para que “Juntos Possamos Salvar Vidas”. Em pouco tempo o projeto juntava mais de 80 voluntários, desde Investigadores do Instituto Gulbenkian de Ciência, da Fundação Champalimaud e outras instituições, professores do Instituto Superior Técnico, médicos de diversas especialidades, enfermeiros, farmacêuticos, engenheiros, advogados, designers, empresas industriais e profissionais de outras áreas.

 

Em conjunto e numa corrida contra o tempo iniciaram o desenvolvimento de dois ventiladores de especificações acessíveis a todos (open source/código aberto): um de sistema pneumático, que pode ser ligado às plataformas de oxigénio e ar comprimido e um outro, de sistema mecânico, que está a ser projetado como uma alternativa para ser usada em locais onde não existe ligação a sistemas de gases – como em lares e algumas ambulâncias.

 

A prioridade do projecto é para o desenvolvimento do ventilador pneumático uma vez que é este que mais rapidamente permite responder à necessidade dos hospitais e é o que exige a menor curva de aprendizagem aos médicos

 

MAIS INFORMAÇÕES

https://www.air4all.pt  

https://www.facebook.com/Air4All.Portugal

 

 

Artigo anterior

Movimento Helping Algarve recolhe mais de 350 mil euros numa semana

Próximo artigo

Os benefícios do chocolate (ou como arranjar desculpas nesta Páscoa)