Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»Aditivo alimentar encontrado em doces pode alterar a estrutura de células digestivas

Aditivo alimentar encontrado em doces pode alterar a estrutura de células digestivas

O dióxido de titânio está presente em praticamente todos os alimentos. Segundo os investigadores, a única forma de evitar alimentos ricos em nanopartículas de óxido de titânio é evitar o consumo de  alimentos processados,  especialmente doces.

Pinterest Google+

A capacidade das células do intestino delgado absorverem nutrientes e atuarem como uma barreira aos agentes patogénicos é significativamente diminuída após a exposição crónica a nanopartículas de dióxido de titânio, um aditivo alimentar comum encontrado em praticamente tudo, desde pastilhas elásticas ao pão, de acordo com uma pesquisa da Universidade de Binghamton, em Nova Iorque, EUA.

 

Os investigadores expuseram um modelo de cultura de células do intestino delgado ao equivalente fisiológico de uma refeição de nanopartículas de óxido de titânio – 30 nanómetros de diâmetro em quatro horas (exposição aguda) ou três refeições em cinco dias (exposição crónica).

 

Veja também: Aditivos alimentares: para que servem

 

As exposições agudas tiveram pouco efeito, mas a exposição crónica diminuiu as projeções absorvidas na superfície das células intestinais designadas microvilosidades. Com menos microvilosidades, a barreira intestinal foi enfraquecida, o metabolismo diminuiu e alguns nutrientes – ferro, zinco e ácidos gordos – mostraram maior dificuldade de absorção. Posto isto, as funções enzimáticas foram afetadas de modo negativo, enquanto os sinais de inflamação aumentaram.

 

O dióxido de titânio é geralmente reconhecido como seguro e a sua ingestão é quase inevitável. Este material inerte e insolúvel é habitualmente utilizado para pigmentação branca em tintas, papel e plásticos. É também um ingrediente ativo em protetores solares à base de minerais com vista a bloquear a luz ultravioleta.

 

Veja também: Aprenda a identificar os aditivos alimentares

 

Pode também entrar no sistema digestivo através da pastas de dentes, pois o dióxido de titânio é utilizado para criar a abrasão necessária para a limpeza dentária. O óxido também é usado em alguns chocolates de modo a conferir-lhe uma textura mais suave, em donuts para  fornecer cor e em leites desnatados para uma aparência mais brilhante e mais opaca, detalhes que tornam o leite mais saboroso.

 

Em 2012, investigadores da Universidade de Arizona, EUA, testaram 89 produtos alimentares comuns, incluindo gomas e maionese, e descobriram que todos continham dióxido de titânio – cerca de 5% como nanopartículas.

 

Artigo anterior

Quadro dos sonhos: materialize o seu futuro

Próximo artigo

Cancro do cólon e do reto está a aumentar entre a população jovem