Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»Acreditar nesta frase mudou a minha vida!

Acreditar nesta frase mudou a minha vida!

Como pode uma frase ter esse efeito – poderás perguntar-te. Como pode uma simples e até curta frase criar um impacto tão grande? Bem… só posso falar da minha experiência. Mas lê aqui e depois diz-me da tua experiência.

Pinterest Google+
PUB

Estás curios@ com qual é a frase, imagino. 😊 Pois bem. Não é a única, é certo, outras tiveram o mesmo efeito. Mas, esta frase em que acredito e que mudou a minha vida é:

 

«Todo o comportamento tem uma intenção positiva»

 

Como assim? “Há intenções más” – podem algumas pessoas pensar. Falo de algo diferente do acreditar na polaridade “Bem versus Mal”. E esta é uma conversa para outra altura.

 

Quando digo “intenção positiva” é no sentido de o comportamento ter por trás e servir para um propósito, servir para satisfazer uma intenção. Pelo que observo, muitas vezes esta é de um nível profundo e inconsciente, associado a necessidades humanas. Necessidades como Proteção, Preservação, Conexão, Certeza, Amor, Reconhecimento, variar a rotina, entre outras.

 

VEJA TAMBÉM: SABES COMO FAZES PARA CONFIARES?

 

Ter uma intenção positiva e estar ao serviço de satisfazer um propósito e necessidade humana é diferente de: a intenção ser ecológica, i.e., ter um impacto neutro ou positivo noutras pessoas e no contexto; ser altruística, colocando os outros acima da própria pessoa e do que é importante para ela; entre outras características.

 

Aquilo em que acredito é um dos filtros mentais que informa e influencia a forma como interpreto eventos internos e externos à minha pessoa. Se acredito que os outros querem enganar, em frases como “isto é meio mundo a enganar o outro meio mundo”, este pensamento atua como um filtro. Este condiciona a qualidade da minha experiência subjetiva da realidade. “Vivo” (?) reactivamente, em modo alerta, com mais ou menos medo, ou especulando e “barricando-me” atrás de uma muralha e com uma espada para evitar sentir-me enganado ou magoado, p.ex..

 

Ao acreditar que os outros querem enganar, fico condicionad@ a experienciar as minhas vivências e interações. Interpreto o que vejo, ouço e sinto por umas lentes onde “ele/ela quer-me enganar” ocupa a maior parte do espaço.

 

Por outro lado, se acredito que a pessoa terá uma intenção positiva (que posso descobrir qual é), ganho mais perspetivas e escolhas sobre como reagir no momento ou agir na próxima vez. Nem sequer é uma questão de confundir com desculpar, ou resignar com a ação e o impacto do que a outra pessoa fez ou disse. Não.

 

É sim de a perceber melhor, e ao seu interior, para informar melhor as minhas capacidades de agir e de fazer algo, alinhado com a minha intenção, em relação à experiência que desejo ter, ao contexto, à pessoa, ao impacto do que ela fez/disse. Para me expressar, para defender os meus limites pessoais, para me sentir a viver os meus valores.

 

Perceber melhor para melhor agir

Já me aconteceram inúmeras situações em que alguém vê e comenta algo que foi dito ou feito, ou que não foi dito ou feito, como tendo sido “por maldade”, “para enganar”, “para magoar”, etc.

 

Uma foi num verão na Viagem Medieval em Santa Maria da Feira. Um familiar meu comentou que uma jovem que recebeu o pagamento da nossa comida nos queria enganar para ficar com o troco para ela.

 

Já eu, acreditando que todo o comportamento tem uma intenção positiva, e também com o treino e experiência a observar comportamentos e expressões, a calibrar diferenças e a colocar-me no lugar de outra pessoa, interpretei que ela estava apenas distraída.

 

Talvez até comigo. 😊 ihihi Teve um engano natural, humano e sem intenção. Até porque, pelo que me lembro, em segundos tivemos o troco correto nas nossas mãos.

 

Quando julgamos, desconectamos

Quando interpretamos as ações da outra pessoa à luz dos nossos valores, do que entendemos ser “bom”, “mau”, “correto”, etc, estamos no nosso plano mental (por vezes também num pódio imaginário de moralidade – da nossa, claro) sem nos ligarmos com o outro ser humano.

 

Aquela pessoa é como tu e eu. Ela também é afetada e influenciada pelos problemas que tem na vida, pelo que sente, pela forma como fala com ela no seu diálogo interno, pelos receios que tem, e muito mais. Ela é um ser humano como tu e eu. E por isso imperfeita e sujeita a falhar. Como tu e eu.

 

Se estivesses no lugar dela, com as vivências que teve, com o que está a sentir no momento, com os recursos internos que tem disponíveis naquela situação, também farias o que ela fez/disse da forma como fez/disse. Tal como eu.

 

Mas o que fazer com a frase «Todo o comportamento tem uma intenção positiva»?

Algo que aprendi que me ajuda é praticar colocar-me em segunda posição. Algo que hoje me é natural e instantâneo, mas longe de ser infalível.

 

Mas é uma ótima forma de aceder a mais informação sobre a outra pessoa. Sobre o mapa mundo (a forma de ver o mundo) dela – e que é diferente do que eu pense sobre isso e do que especule que é a razão pela qual ela fez/disse algo; sobre o contexto interior que ela estará a experienciar; e sobre o que tenha experienciado num passado recente ou distante.

 

Desejo-te do fundo do coração que possas trazer mais leveza, bem-estar e outras escolhas e ações que te ajudem a saborear os teus dias. Seja com esta ou outras frases! O que te sirva melhor.

 

Gostaste deste texto? Comenta e partilha nas redes sociais ou com amig@s e colegas no teu dia a dia.

Artigo anterior

Portugal: férias de verão em modo low cost

Próximo artigo

Operação verão: estratégias para evitar rugas