Home»VIDA»CASA & FAMÍLIA»Acidentes com cápsulas de detergente aumentam em crianças

Acidentes com cápsulas de detergente aumentam em crianças

Um estudo publicado hoje pelo jornal médico ‘JAMA Ophthalmology’ conclui que os acidentes infantis, nomeadamente queimaduras oculares, com este formato de detergente aumentou 30 por cento. O problema poderá estar no facto de se parecerem com doces.

Pinterest Google+
PUB

Entre 2012 e 2015, o número de queimaduras oculares provocadas por cápsulas de detergente em crianças em idade pré-escolar aumentou 30 por cento, revela um estudo publicado hoje no jornal de oftalmologia da Associação Médica Americana, ‘JAMA Ophthalmology’.

 

A adoção generalizada de cápsulas de detergente para roupa – pequenas sacolas solúveis com detergente suficiente para uma única utilização – levou a um aumento dos acidentes e ferimentos associados a estas cápsulas em crianças.

 

Veja também: Academia Americana de Pediatrai revê uso de tecnologias por parte das crianças

 

Relatos de diversos tipos de lesões, como vómitos, intoxicação, asfixia e queimaduras, em crianças nesta idade sugerem que este padrão pode estar em parte ligado ao facto de as cápsulas serem coloridas e se assemelharem a doces.

 

Sterling Haring, investigador da Universidade de John Hopkins, EUA, e os seus colegas examinaram os dados do Sistema Nacional de Vigilância de Lesões americano, entre 2010 e 2015, nomeadamente sobre lesões oculares resultantes de queimaduras químicas ou conjuntivites em crianças de 3 a 4 anos de idade.

 

Veja também: «As nossas casas estão cada vez mais tóxicas, tecnológicas e mecanizadas»

 

Durante este período, ocorreram 1201 casos de queimaduras oculares provocadas por cápsulas de detergente em crianças desta idade. O número de queimaduras químicas associadas a cápsulas de detergentes aumentou de 12 casos, em 2012, para 480, em 2015. A proporção de todas as lesões oculares químicas associadas a estes dispositivos aumentou de 0,8 por cento das queimaduras, em 2012, para 26 por cento, em 2015.

 

Essas lesões ocorreram frequentemente quando as crianças estavam a manipular as cápsulas e estas esguichavam para um ou ambos os olhos, ou quando o conteúdo da cápsula escorria pelas suas mãos e as crianças as levavam aos olhos.

 

Veja também: A escolha certa da cadeirinha do bebé

 

«Estes dados sugerem que a responsabilidade das cápsulas de detergente em lesões oculares entre crianças em idade pré-escolar está a aumentar. Como a maioria das lesões nesta faixa etária, estas queimaduras ocorrem quase exclusivamente em casa. Além do armazenamento e uso adequados desses dispositivos, estratégias de prevenção podem incluir redesenhar embalagens para reduzir a atratividade desses produtos para crianças pequenas e melhorar a sua força e durabilidade», propõe o autor do estudo.

 

Artigo anterior

Embalagens de fast food contêm produtos químicos nocivos

Próximo artigo

Gucci aposta na diversidade em nova campanha