Home»VIDA»ALTERNATIVAS»Açafrão-da-índia: a deusa dourada da ayurveda

Açafrão-da-índia: a deusa dourada da ayurveda

Na Ayurveda, acredita-se que o açafrão equilibra os três doshas: Vata, Pitta e Kapha.

Pinterest Google+
PUB

O Açafrão-da-índia é uma antiga especiaria de cor dourada e sabor forte, celebrada durante séculos como alimento e remédio, tendo ressurgido recentemente nas comunidades de saúde e nutrição graças à curcumina, a substância curativa que fornece a sua cor vibrante. Na Ayurveda, acredita-se que o açafrão equilibra os três doshas (Vata, Pitta e Kapha).

 

O Açafrão pode, obviamente, resistir ao teste do tempo. Tem sido adorado, celebrado e reverenciado por pessoas durante séculos, e ainda hoje é um dos atores mais importantes na prevenção de doenças graves, bem como das aflições gerais da vida. Existem muitas pesquisas em andamento para provar cientificamente o que os antigos povos da Índia sabem há séculos: que o açafrão-da-índia é uma das plantas mais poderosas do planeta. Quer sofra de uma doença aguda ou crónica, dores, inchaços e hematomas, ou como manutenção preventiva, o açafrão pode e deve ser utilizado por todos regularmente. Nas palavras de David Frawley: “Se eu pudesse depender apenas de uma única erva para todas as necessidades dietéticas e de saúde possíveis, sem muita hesitação escolheria o açafrão-da-índia.”

 

Origem

Nos últimos anos, o açafrão-da-índia atraiu bastante interesse pelas suas propriedades curativas naturais, porém tem sido usada medicinalmente há mais de 4.500 anos. Análises de potes descobertos perto de Nova Deli revelaram resíduos de açafrão, gengibre e alho que datam de 2500 aC. Foi por volta de 500 aC que a açafrão-da-índia surgiu como uma parte importante da medicina ayurvédica.

 

VEJA TAMBÉM: CHYAWANPRASH: O TÓNICO AYURVÉDICO PARA UMA VIDA LONGA

 

Nos últimos anos, o açafrão-da-índia atraiu bastante interesse pelas suas propriedades curativas naturais, porém tem sido usada medicinalmente há mais de 4.500 anos. Análises de potes descobertos perto de Nova Deli revelaram resíduos de açafrão, gengibre e alho que datam de 2500 aC. Foi por volta de 500 aC que a açafrão-da-índia surgiu como uma parte importante da medicina ayurvédica.O nome latino da açafrão-da-índia é “Curcuma Longa”, que vem do nome árabe da planta, “Kurkum”. Ela vem da família Zingiberaceae (a mesma do gengibre) e em sânscrito é chamada de “Haridra” (“A Amarela”), “Gauri” (“Aquela cuja Face é Leve e Brilhante”), “Kanchani” (“Deusa Dourada”) e Aushadhi (“Erva”). A literatura ayurvédica contém mais de cem outros termos diferentes para o açafrão, incluindo jayanti, que significa aquele que vence as doenças, e matrimanika que significa tão bonito quanto o luar. Chama-se “Jiang Huang” em chinês, e “Haldi” (“Amarelo”) em hindi, o nome mais comum na Índia. As propriedades curativas do açafrão estão no caule dourado, ou rizoma, a mesma parte usada para dar sabor, colorir e conservar alimentos.

 

A açafrão-da-índia é nativa do sul da Ásia, particularmente da Índia, mas é cultivada em muitas regiões quentes do mundo. Pode ser encontrado crescendo extensivamente em toda a Índia, porém dá-se especialmente bem nas regiões de Tamil Nadu, Bengala Ocidental e Maharashtra. Também é cultivada no Sri Lanka, Indonésia, China, Taiwan, Indochina, Peru, Haiti e Jamaica. A Índia é o maior produtor do mundo; A Jamaica e o Peru são os principais exportadores, e o Irão o maior importador. Outros grandes importadores são Reino Unido, Japão, Canadá, Sri Lanka, Singapura e Oriente Médio.

 

Existem duas variedades principais de açafrão: uma com rizomas ovais duros e de cores ricas, chamada “Lokahandi Halad” que é usada principalmente para tingir, e uma variedade mais macia, maior e de cor mais clara com rizomas longos usados principalmente para comer. O açafrão-da-índia tornou-se valiosa para os humanos quando se descobriu que o rizoma em pó preservava o frescor e o valor nutritivo dos alimentos. Foi originalmente usado em caril e outros alimentos para melhorar as condições de armazenamento, palatabilidade e preservação. Devido às suas propriedades de preservação, o açafrão desempenhou um papel vital na sobrevivência e sustentabilidade no sul da Ásia e foi mais valorizado do que ouro e pedras preciosas. No entanto, a açafrão-da-índia acabou por ser substituído por conservantes sintéticos mais baratos.

 

Funções e benefícios do Açafrão-da-índia na Ayurveda

O açafrão-da-índia revigora e movimenta o sangue. A sua natureza forte reduz e trata a fraqueza. Estimula a formação de sangue. A sua cor amarela sugere o uso como erva hepática. Uma pequena dose limpa o fígado e o sangue devido ao sabor amargo. O açafrão-da-índia é usado em todos os distúrbios relacionados com o sangue e o plasma sanguíneo, especialmente aqueles devidos a Pitta e Kapha. O seu calor alivia o Vata e o Kapha. Uma dose grande agrava o Pitta.

 

Dentro da vastidão das plantas medicinais, poucas possuem um espectro tão amplo de qualidades e usos medicinais quanto o açafrão. Por incontáveis séculos, muitas culturas diferentes usaram esta erva maravilhosa e versátil para tratar uma miríade de doenças e enfermidades. A ação medicinal mais conhecida da açafrão-da-índia é seu uso como um poderoso anti-inflamatório, cuja eficácia é comparável à dos medicamentos farmacêuticos. No entanto, também atua como alterativo, analgésico, antibacteriano, antiinflamatório, antitumoral, antialérgico, antioxidante, antisséptico, antiespasmódico, adstringente, carminativo, colagogo, digestivo, diurético, estimulante e vulnerário. A ciência moderna começa a reconhecer e entender as incríveis qualidades curativas da açafrão-da-índia. Devido à sua vasta gama de finalidades medicinais e versatilidade, o açafrão é uma das ervas mais importantes em qualquer armário de medicina natural.

 

Os iogues usam açafrão-da-índia para ajudar a alongar os ligamentos e reparar lesões. O calor do fígado está ligado à frouxidão dos tendões e ligamentos.

 

Tem sido usado por curandeiros ayurvédicos como medicamento tomado internamente na forma de suco fresco, chá fervido, tinturas ou pó e topicamente como cremes, loções, pastas e pomadas. Existem muitas fórmulas ayurvédicas antigas que utilizam açafrão. Leite fervido com açafrão e açúcar, o famoso leite dourado era um remédio popular para resfriados e o sumo de açafrão era usado para ajudar a curar feridas, hematomas e picadas de sanguessuga. Uma pasta feita de açafrão, limão e sal era commumente aplicada em entorses e articulações inflamadas. O fumo feito pela aspersão de açafrão sobre carvão queimado era usado para aliviar picadas de escorpião. A inalação do fumo da combustão de açafrão também era commumente usado para libertar grandes quantidades de muco e proporcionar alívio instantâneo da congestão. Acreditava-se também que os vapores ajudavam em ataques histéricos. Uma pitada de açafrão também era usada como repelente de insetos na cozinha.

 

O ingrediente ativo da açafrão-da-índia é chamado de “curcumina”, embora no seu estado bruto a açafrão-da-índia contenha apenas 2-5% de curcumina. Combinada com pimenta-do-reino, a curcumina torna-se 2.000 vezes mais potente. A curcumina agora é extraída do açafrão-da-índia, vendida como suplemento e é a base da maioria das pesquisas científicas. A curcumina tem propriedades anti-inflamatórias significativas que rivalizam com as encontradas no ibuprofeno. Ao contrário dos medicamentos de venda livre, o açafrão não tem efeitos tóxicos no corpo. Demonstrou-se que as poderosas vantagens antioxidantes da curcumina protegem as células saudáveis.

 

As propriedades ativas da curcumina são melhor chamadas de “propriedades protetoras”. Os mesmos componentes que impedem a deterioração dos alimentos protegem os tecidos vivos da degeneração, possivelmente estendendo a vida útil dos nossos corpos. Pesquisas clínicas e laboratoriais indicam que as dietas que incluem açafrão ou curcumina “estabilizam e protegem as biomoléculas do corpo em nível molecular”, o que é demonstrado na sua ação antioxidante, antimutagénica e anticancerígena.

 

A açafrão-da-índia também é uma poderosa erva anti-inflamatória. Demonstrou-se útil no tratamento de artrite, artrite reumatóide, osteoartrite, lesões, traumas e rigidez tanto sob atividade quanto sobre atividade. Também é útil após a cirurgia para diminuir a dor, a inflamação e acelerar a cicatrização.

 

A açafrão-da-índia também tem uma ação especial para purificar e nutrir o sangue e a pele.  Ajuda a diminuir o prurido e problemas de pele devido às qualidades frias, secas ou estagnadas dos outros doshas (sheetaPitta). A aplicação externa interrompe a dor e o inchaço, cura feridas rapidamente e trata muitas doenças de pele, desde acne até lepra. A maneira clássica de aplicar açafrão topicamente é como um “Ubtan”: uma mistura de açafrão, farinha de grão de bico, óleo de sésamo ou amêndoa, um pouco de creme de leite fresco e mel. Isso clareia as manchas da pele e aumenta o brilho natural e a radiância da pele. O óleo essencial de açafrão funciona maravilhosamente como um antibiótico externo para prevenir infeções em feridas. Uma boa fórmula para uma pomada cicatrizante é uma mistura de azeite, cera de abelha, óleo de melaleuca, aloe vera, açafrão, arnica, olmo, trevo vermelho, óleo de tomilho e vitamina E. Como a açafrão-da-índia é amarga e anti-inflamatória, é excelente para doenças de pele quente, erupções vermelhas e especialmente eczema húmido. O óleo essencial de açafrão-da-índia, misturado com citronela, tulsi e vanilina, funciona como um poderoso repelente de insetos e é uma alternativa natural ao D.E.E.T, o repelente químico de insetos mais comum disponível comercialmente.

O açafrão-da-índia estimula o fígado (ranjaka Pitta) e o fluxo biliar, dissolvendo e prevenindo cálculos biliares. Também protege o fígado de toxinas e patógenos. Sabe-se que tanto destrói as toxinas no fígado quanto reconstrói o fígado após um ataque tóxico. A açafrão-da-índia aumenta a secreção e o movimento da bílis e pode prevenir todas as formas de doença hepática. O uso excessivo de drogas e/ou álcool pode sobrecarregar o fígado e levar a doenças hepáticas. Um estudo mostra que a curcumina bloqueia alguns dos efeitos colaterais nocivos do fumo do cigarro e evita a formação de substâncias químicas perigosas após a ingestão de alimentos processados. Também é útil no tratamento de intoxicação alimentar. Tradicionalmente, cerca de 5 gramas de açafrão-da-índia são ingeridos com um copo de soro de leite, de manhã e à noite, durante um mês para ativar e reconstruir o fígado. Outro bom remédio para o fígado pode ser baseado em açafrão, raiz de Kutki e sementes de cardo mariano. Em essência, o açafrão ajuda a manter o fígado saudável para que ele possa realizar o seu trabalho de manter o corpo desintoxicado.

 

A Ayurveda usa o açafrão para purificar e mover o sangue, pois é uma alternativa maravilhosa. Ajuda a remover o sangue estagnado enquanto estimula a formação de novo tecido sanguíneo. O Açafrão também ajuda a diminuir o colesterol e prevenir doenças cardíacas. Sua atividade antiplaquetária previne a coagulação e reduz o Kapha no sangue.

 

Regula a menstruação e diminui a intensidade e a dor dos períodos menstruais e dos tumores uterinos. O açafrão-da-índia destrói todos os acúmulos de Kapha no abdómen inferior, incluindo endometriose, amenorreia, leucorreia, miomas, cancro e quistos de congestão fria. Promove o fluxo da menstruação e purifica o leite materno. Elimina especificamente a dor menstrual causada pelo ácido araquidónico. O Açafrão é um estimulante uterino suave e de suporte e as suas muitas ações no fígado sugerem que também pode ajudar a equilibrar os níveis hormonais. Também desempenha um papel na gravidez e parto na Índia. Tradicionalmente, diz-se que tomar açafrão durante a gravidez garante que a criança sempre tenha uma pele bonita. (No entanto, a açafrão-da-índia é um estimulante uterino leve, então pode haver uma superestimulação; é essencial consultar um médico antes de tomar qualquer erva durante a gravidez.) O açafrão-da-índia tomado nas duas últimas semanas de gravidez em leite orgânico morno ajuda para agilizar um parto simples, ao mesmo tempo em que aumenta a saúde da mãe e da criança. O Açafrão também é um analgésico (aliviador da dor) e às vezes é usado no parto natural para diminuir a dor.

 

A açafrão-da-índia também tem uma ação especial para ajudar todo o sistema Gastro-Intestinal, aumentando a flora intestinal e gerando uma digestão saudável. É tradicionalmente usado para estômagos fracos, má digestão, dispepsia, parasitas, cólicas abdominais, para normalizar o metabolismo, para ajudar na digestão de proteínas e na quebra de gorduras, para aumentar a absorção e a capacidade do estômago de suportar os ácidos digestivos. A açafrão-da-índia também é um carminativo: ajuda a diminuir os gases e a distensão. Como vulnerário, também ajuda a nutrir e curar as membranas mucosas; tem um forte efeito protetor contra alimentos e materiais que são corrosivos para o estômago e intestinos a partir de intoxicação alimentar.

 

Outro uso importante da açafrão-da-índia é o suporte do sistema respiratório. Como antioxidante, protege os pulmões da poluição e das toxinas. Também ajuda a transferência de oxigénio dos pulmões para o sangue. O açafrão-da-índia com ghee é tradicionalmente usado para acabar com a tosse e tratar a asma.

 

Estudos também estão em andamento sobre os efeitos do açafrão no tratamento e prevenção de doenças neurológicas, como esclerose múltipla e doença de Alzheimer. Esta observação é gerada a partir da perceção de que os idosos indianos que comem açafrão regularmente têm muito menos probabilidade de desenvolver estas doenças do que aqueles que não comem açafrão.

 

O açafrão-da-índia melhora a circulação e afina o sangue, dando ao sangue uma qualidade sutil para entrar e limpar o sistema linfático, bem como todos os vasos e tecidos. A sua capacidade de mover o sangue seca a humidade e aumenta o calor. A capacidade da açafrão-da-índia de apoiar o fígado enquanto limpa o sistema linfático a torna uma erva ideal para a limpeza da primavera (junto com beterraba e dente-de-leão). As propriedades de movimentação e limpeza do sangue da açafrão-da-índia também são benéficas para uso na artrite.

 

O açafrão-da-índia melhora a força digestiva, aumentando o fluxo sanguíneo. É um antisséptico que promove “intestino doce”, ou seja, intestino livre de bactérias e ama. As suas qualidades hemostáticas e anti-inflamatórias tratam úlceras estomacais e colites. Melhora também o rasa agni, ou “o poder bruto do corpo para nutrir o plasma e o sangue”. Limpa ama, Kapha e gordura na diabetes.

 

Contraindicações

As contraindicações incluem gravidez, com outros anticoagulantes, antiplaquetários e inibidores (COX). Ter atenção quando existirem cálculos biliares. O Açafrão em excesso pode desequilibrar o Pitta e o Vata.

 

O uso medicinal do Açafrão-da-índia deve ser monitorizado por um médico ou terapeuta ayurvédico para melhor adequação e tratamento. As recomendações sugeridas têm um carácter meramente informativo.

 

Artigo anterior

O que comer no pós-treino

Próximo artigo

O ciclo do arroz: do cultivo ao prato