Home»VIDA»SOCIEDADE»A sensualidade de Marilyn

A sensualidade de Marilyn

O eterno ícone da feminilidade e do glamour morreu há 50 anos

Pinterest Google+
PUB

Considerada a mulher mais sensual do século XX, Marilyn Monroe mantém o mesmo estatuto até hoje, 50 anos que passaram da sua morte.

 

Símbolo de sensualidade, feminilidade, glamour e beleza, continua a ser fonte de inspiração para o imaginário da artes e do espetáculo e, claro, para muitas mulheres em todo o mundo.

 

Mas o que é que Marilyn Monroe tem (ou tinha) que até hoje nenhuma outra mulher se lhe compara? Um misto de sensualidade e candura, um corpo voluptuoso e uma voz terna fizeram desta atriz a maior estrela feminina de todos os tempos. Mas mais: «Tinha desde logo uma química com a câmara incomparável, que cinco décadas após a morte parece ter tanta força como tinha em vida. Tinha uma mistura improvável mas eficaz de inocência e sexualidade extremas que parecia irresistível para qualquer homem», explica Luís Salvado, jornalista especializado em Cinema.

 

A modelo e apresentadora, Marisa Cruz, reconhece-lhe também características únicas como ícone feminino: «Ressalto o aspeto acima de tudo. Depois a ousadia e a coragem de ser diferente e ousada no seu tempo. Acredito que tenham sido estes aspetos que lhe conferiram a sua originalidade e popularidade. A sua inocência a par da sua sensualidade tornaram-na muito querida em todo o mundo. Foi, em simultâneo, uma mulher vulnerável, carente, inocente e sedutora, sensual e de personalidade muito vincada».

 

Uma dicotomia entre inocência e sensualidade parece ser um dos segredos do seu sucesso. Mas não foi só a sua expressiva sensualidade natural e empatia com o público que a colocou no lugar em que está. A conjuntura audiovisual também ajudou. «Foi porventura a última grande deusa do grande ecrã, antes das atrizes começarem também a aparecer na televisão, que aproxima e familiariza os atores dos espetadores, efeito inverso ao do cinema, que os agiganta. E, claro, morreu nova, portanto nunca alguém viu o seu declínio, como sucedeu com outras divas como Rita Hayworth ou Ava Gardner», explica Luís Salvado.

 

Marilyn Monroe fez cerca de 30 filmes, e o seu carácter de mulher sexy surgiu desde cedo, no filme “Niagara”, em cujo cartaz a atriz aparece com o corpo envolto nas águas das cataratas. Seguiram-se os afamados “Os Homens Preferem as Louras”, “Como Conquistar um Milionário” e os dois filmes que mais a mitificaram: “O Pecado Mora ao Lado» e “Quanto Mais Quente Melhor”».

 

Para além da filmografia, ficam também para a história momentos como aquele cantar de parabéns ao presidente Kennedy, o famoso esvoaçar do vestido branco no filme “O Pecado Mora ao Lado”, a interpretação da música “Diamonds Are a Girl’s Best Friend” no filme “Os Homens preferem as Louras”, o número “I Wanna Be Loved by You”, do filme “Quanto Mais Quente Melhor”, a forma como enviava beijos aos fans, o semicerrar de olhos… Marilyn Monroe emanava sensualidade. Foi e é, por isso, inspiração para muitas pessoas. «É uma inspiração para mim e para qualquer mulher», sintetiza Marisa Cruz.

 

Marilyn faleceu a 05 de agosto de 1962, aos 36 anos, em circunstâncias também elas dramáticas e dignas de um argumento de Hollywood, tal como a sua vida, recheada que foi de drama. Tudo composto criou esta figura mítica que ficou para a História. Nasceu Norma Jean, morreu Marilyn Monroe. Completaria 86 anos em 2012.

 

Artigo anterior

Caça ao tesouro do século XXI

Próximo artigo

Míriam Bettencourt, dogwalker