Home»BEM-ESTAR»CORPO»A nossa matéria-prima

A nossa matéria-prima

Qualquer obra necessita de matéria-prima, de energia e de princípios.

Pinterest Google+

Tal como uma pedra preciosa, a nossa matéria (corpo) e toda a nossa essência depende do equilíbrio dos minerais que sustentam o nosso DNA.

 

A fecundação é um demorado processo com cerca de 12 horas, que começa com o reconhecimento específico e a ativação mútua das gametas paterno e materno, maduros, e no meio adequado.

 

A partir da região em que o espermatozoide alcança o óvulo, produz-se uma liberação de íons de cálcio que se difundem como uma onda. Esta região do óvulo em fecundação será o dorso do embrião que segue na direção da onda de cálcio.

 

Não se trata somente de genética: o desenvolvimento do indivíduo requer uma série de interações entre as suas células, sobretudo entre os seus genes com componentes do meio interno e externo ao organismo, pois o nosso corpo é um sistema cristalino vivo com estruturas minerais oscilantes, que são campos dinâmicos de energia em permanente mudança.

 

Na primeira divisão celular, cada uma das duas células do embrião tem um destino diferente e bem definido. A rica em cálcio ficará imatura, com capacidade de um dado espaço a todos os tipos celulares: é o embrião. A outra, mais pobre em cálcio, destinará o seu desenvolvimento à formação dos tecidos extraembrionários e à placenta.

 

Sempre de maneira assimétrica, seguindo uma trajetória unitária, programada de forma temporal e espacial, as células vão gerando os órgãos e tecidos.

 

Antes de implantar-se no útero, no início da segunda semana, e desde o primeiro dia, o embrião foi mandando sinais moleculares à mãe, para que ambos se coordenem como vidas diferentes, em perfeita simbiose durante toda a gestação.

 

Desde o seu início na fecundação, o novo ser em crescimento é uma pessoa, com um dinamismo vital aberto, próprio da espécie humana, que passa por cada um dos estágios evolutivos do ser vivo, até à sua morte natural. Quando o nosso corpo perde de alguma forma a harmonia nesta sincronização de cristais com energia elétrica permanente, instala-se a doença.

Artigo anterior

João Cajuda: «Sou mais otimista, tolerante e paciente»

Próximo artigo

Passatempo ‘Cruz Credo’