Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»À mesa com o arroz: conheça os vários tipos

À mesa com o arroz: conheça os vários tipos

Sabia que existem pelo menos nove tipos de arroz que podem ser comidos? Para além do arroz corrente e do integral, existem outros tipos que podem fazer parte da nossa alimentação. Conheça-os e saiba como os confecionar.

Pinterest Google+

Agulha ou extra longo

Este é o arroz corrente, também chamado de arroz branco ou tradicional. Como durante o seu fabrico é retirada a casca e utilizado talco, o arroz fica polido e com uma coloração branca, no entanto, não é um dos tipos de arroz mais nutritivos. O seu ponto forte é ser o mais barato, mais fácil de encontrar no mercado e o que tem maior funcionalidade, podendo ser utilizado como ingrediente principal para fazer milhares de receitas.

 

Além disso, este tipo de arroz demora menos tempo para ficar cozido em comparação com os outros. A proporção de água que se deve utilizar para cozer esta variedade de arroz é de duas chávenas de água para cada uma de arroz, isto para que o arroz fique macio sem ficar com o aspeto “papa”.

 

Arroz integral 

Por não ser retirada a casca durante o processo industrial, o arroz integral mantém a camada externa do cereal, conservando as suas principais qualidades e contém três vezes mais fibras do que o arroz branco, cinco vezes mais vitaminas e quatro vezes mais de magnésio. Além de ser boa fonte das vitaminas A, B1, B2, B6, B12 e vários sais minerais, é rico em fibras, que ajudam a manter o trânsito intestinal regularizado. O arroz integral pode ser encontrado com alguma facilidade, mas o seu preço é superior que a variedade tradicional.

 

No momento de confecionar um prato com arroz integral, é importante lembrar-se que este arroz demora mais tempo para ficar cozido, e que precisa de mais água para ficar com uma consistência ideal para ser comido. Deve-se utilizar o mesmo número de chávenas de água e de arroz, e esperar pelo menos duas vezes mais tempo até que esteja pronto.

 

VEJA TAMBÉM: A GUERRA DAS CALORIAS NATALÍCIAS. QUEM VENCE NESTAS 10 BATALHAS?

 

Arroz parboilizado 

Este tipo de arroz, assim como o integral, está cada vez mais a ser apreciado e consumido pelos portugueses. Devido ao tratamento hidrotérmico (água a ferver) que é aplicado sobre o arroz – que consiste em cozinhar parcialmente os grãos de arroz com casca –, parte das vitaminas e dos sais minerais passam da casca para o interior do arroz, aumentando desta forma o valor nutricional e concentrando uma maior quantidade de vitaminas do complexo B nos grãos de arroz. Ou seja, o processo hidrotérmico enriquece a parte interna do arroz, deixando-a com valores nutritivos próximos aos do arroz integral. Além disso, a temperatura superior a 58ºC usada no processo de parboilização modifica a composição do amido, fazendo com que o arroz absorva ainda mais nutrientes da casca.

 

Facilmente encontrado, principalmente em lojas de produtos naturais (ervanárias e dietéticas) ou na secção dos produtos naturais nas grandes superfícies comerciais, este tipo de arroz segue o mesmo padrão de preparação e confeção do arroz branco (agulha ou extralongo), uma vez que já que não tem casca.

 

Arroz cateto ou japonês 

Como o próprio nome indica, esta variedade de arroz é a base da culinária japonesa. São grãos curtos, curvados e um pouco transparentes, contêm uma grande quantidade de amido e, após a confeção, tendem a ficar mais macios e cremosos, quando comparados com o arroz branco (agulha ou extralongo). Esta variedade também pode ser encontrada com casca, concentrando assim o seu valor nutricional, por exemplo em vitaminas do complexo B e em sais minerais.

 

Para deixar o arroz cateto mais macio, sem que ele fique “empapado”, é importante que a pessoa deixe a cozer por mais tempo do que o arroz tradicional, seguindo o padrão de uma chávena de água para cada duas de arroz.

 

VEJA TAMBÉM: A SUA DISPOSIÇÃO DEPENDE DO QUE COME E ISSO MUDA COM A IDADE

 

Arroz arbóreo 

Apresenta-se com um grão mais arredondado, onde concentra bastante amido, que confere uma consistência mais cremosa. Tem uma incrível capacidade de absorver temperos/condimentos. Por isso mesmo, é o mais indicado para confecionar e preparar risotos. Como não tem casca e não passa por nenhum processo industrial que conserve os nutrientes, esta variedade de arroz tem o mesmo valor nutricional que o arroz tradicional. Pode ser encontrado nas lojas de produtos naturais (ervanárias e dietéticas) ou na secção dos produtos naturais nas grandes superfícies comerciais, e método de confecionar é o mesmo do arroz branco (agulha ou extralongo).

Artigo anterior

A sua disposição depende do que come e isso muda com a idade

Próximo artigo

Comece a planear: cidades europeias para uma escapadela em 2018