Home»BEM-ESTAR»CORPO»A importância de um core forte

A importância de um core forte

Quando fazemos abdominais no ginásio, do que estamos à procura? Abdominais planos ou um core forte? Podemos pensar que é o mesmo, mas não é. Ter um core forte é mais importante do que o chamado “six-pack”. Vamos ver o porquê disto!

Pinterest Google+
PUB

Para entender o quão vital é a força do core, ajuda saber exatamente como é constituído e em que consiste. Muitas pessoas pensam que core é sinónimo de abdominais, mas não corresponde à verdade. O core inclui os músculos abdominais, mas também muitos dos músculos que movem as ancas e as costas.

 

«Quando se fala em core, faz-se referência a um conjunto de grupos musculares que envolve o nosso centro de massas musculares que proporciona estabilidade lumbo-pélvica e favorece a transmissão de força desde os membros inferiores (M.I) até aos membros superiores do corpo de maneira eficiente», (David, Terrien, & Petitjean, 2015).

 

Os principais músculos do core são: transverso, oblíquo interno, oblíquo externo, reto abdominal, multífidos, quadro lombar, glúteo médio, glúteo maior, glúteo menor, músculo pelvitrocantéreo e reto abdominal.

 

Todos os músculos que fazem parte da faixa abdominal – à qual se chama core – formam uma estrutura, na qual a sinergia é praticamente perfeita, de modo a proteger as zonas mais delicadas do corpo, como, por exemplo, a coluna vertebral. Desta maneira, esta estrutura pode suportar diferentes cargas de exercício, em todos os planos e ângulos.

 

DICA

Ter abdominais visíveis, significa que a percentagem de gordura corporal é baixa o suficiente para mostrar as fibras musculares por baixo da gordura subcutânea. Pode-se ter 100% de força central sem ter abdominais visíveis.

 

Um core forte previne a dor e as lesões

Imagine o core como um cilindro robusto e estável à volta da coluna vertebral e dos órgãos vitais. Com um core forte, somos capazes de ativar o cilindro sempre que a coluna e órgãos enfrentem perigo, como durante um agachamento pesado ou um ‘lifting’.

 

Vários estudos mostraram que o treino de força do core pode reduzir a dor nas costas, embora algumas pesquisas sugiram que o treino de força de corpo inteiro seja mais eficaz do que o treino de força do do core (o que provavelmente até corresponde à verdade).

 

A pesquisa também demostra que a força do core pode ser um fator preventivo de lesões, devido à natureza da musculatura do core e da coluna vertebral. Sem o apoio adequado durante o movimento, a coluna está em risco de lesão.

 

Os músculos fortes do core permitem manter a coluna numa posição segura e neutra durante o movimento, em vez de flexionar excessivamente, prolongar ou rodar (o que na melhor das hipóteses provoca dor ou gera lesões)

 

Um core forte melhora o desempenho

Aqueles que procuram aumentar o seu desempenho físico podem fazê-lo adicionando treinos de core nas rotinas do fitness. Alguns estudos defendem uma relação entre o treino de força central e a melhoria do desempenho atlético, mas são necessárias mais pesquisas para se esclarecer essa ligação, uma vez que os atletas normalmente, treinam todos os grupos musculares.

 

O core é parcialmente responsável por todo o tipo de movimentos exceto, nas extremidades (como o rodar do tornozelo, embora se for feito de pé, o core ainda o suporta). Os músculos do core permitem dobrar, torcer, flexionar, estender, pisar, saltar, sentar ou simplesmente ficar de pé.

 

No entanto, os benefícios não se limitam aos atletas. A pessoa média também pode usufruir de benefícios da força do core, incluindo uma evolução pessoal no ginásio. Pode até ficar surpreendido com a forma como a sua força do core recém-descoberta se transfere para fora do ginásio, durante certas atividades recreativas, como o remo e a escalada.

 

Um core forte aumenta a longevidade

Queremos cuidar de nós quando formos mais velhos? Se sim, é importante concentrarmos os esforços para construir um core forte desde já. Mesmo que tenhamos 40, 50 ou 60 anos, nunca é tarde demais, para adicionar treinos de core à nossa rotina e desenvolver a sua força.

 

Um core forte pode fazer a diferença entre um idoso que faz as suas próprias tarefas, é autónomo, até brinca com os netos, e um idoso que precisa da ajuda de terceiros para fazer as suas simples rotinas. Um core forte representa a diferença entre viver verdadeiramente e simplesmente sobreviver à velhice.

 

As investigações demostram que um treino de estabilidade do core pode melhorar o equilíbrio em adultos mais velhos e reduzir o risco de queda (que são a principal causa de lesões na geração mais idosa). Um estudo realizado numa colaboração de duas universidades nos Estados Unidos descobriu que apenas 20 minutos de treino de core três vezes por semana pode aumentar, significativamente, a capacidade de os idosos completarem tarefas diárias normais, como simples tarefas domésticas.

 

Além disso, ter um core forte aumenta a capacidade de nos mantermos ativos à medida que envelhecemos, o exercício beneficia os idosos tanto quanto os jovens, se não até mais.

 

Um core forte melhora a qualidade de vida

Tudo é muito mais divertido se o desafio for sem dor. Este último benefício é realmente o culminar dos três acima. Como se pode imaginar, a diminuição da dor, menos lesões, o melhor desempenho e a longevidade aumentada, definitivamente, juntam-se para uma vida mais saudável e feliz.

 

Fortalecer o core também não é só para o futuro, devemos colher esses benefícios agora. Se somos jovens e aventureiros, um core forte aumenta o número de atividades recreativas que somos capazes de fazer com segurança. Podemos fazer caminhadas mais duras “paddle board” em águas abertas em vez de canais fechados, começar a andar de skate ou surfar.

 

Na meia-idade a força do core significa que pode praticar desporto com os seus filhos ou até fazer exercício com o seu cão. Significa que pode continuar a desfrutar dos seus passatempos favoritos sem se preocupar em danificar as costas; significa fazer projetos de melhoria da casa, sem contratar outros para o fazer.

 

Por último, se já passou da meia-idade ter um core forte torna-se importante para o dia-a-dia. Não queremos manter a nossa independência à medida que entramos nos anos 60, 70 e 80? A força do core significa que podemos prosperar na velhice, que se pode sair com os netos e acompanhar a família nas férias. Significa que podemos continuar a ser nós.

NOTA FINAL

Toda esta temática acerca do core e do trabalho da zona abdominal é sempre muito procurada e pesquisada e ainda bem, pois é o centro do nosso corpo. Aqui ficam dois links de artigos escritos por mim acerca deste tema para uma melhor compreensão:

ABDOMINAIS PARA ALÉM DO CRUNCH TRADICIONAL

ABDOMINAIS: O QUE PRECISA DE SABER!

 

BONS TREINOS E BOAS LEITURAS!!!

Artigo anterior

Alimentos amigos do estômago: um guia sempre em dia

Próximo artigo

Creme de abóbora com sementes