Home»ATUALIDADE»NOTÍCIAS»A hora a que se come é tão importante como as calorias ingeridas

A hora a que se come é tão importante como as calorias ingeridas

Uma nova pesquisa do Centro Médico da Universidade de Southwestern mostra o papel decisivo que o ciclo circadiano tem no organismo, até para quem quer fazer dieta. Ou seja, tanta influência tem o que se come como a hora a que se come.

Pinterest Google+
PUB

Um novo sistema de alimentação de alta precisão para ratos de laboratório testado pelo Centro Médico da Universidade de Southwestern, EUA, vem reforçar a ideia de que a hora a que ingerimos a comida é tão importante para a perda de peso como o número de calorias ingeridas.

 

No estudo, os ratos que fizeram um plano de calorias reduzido durante as horas normais de alimentação/ciclo ativo foram os únicos de entre cinco grupos de ratos em estudo a perder peso, apesar de este grupo consumir o mesmo número de calorias que outro grupo, mas que se alimentou durante o período de repouso.

 

Veja também: Estudo identifica as comidas mais viciantes: conheça o top 10

 

«Transpondo para o comportamento humano, este estudo sugere que a dieta só será eficaz se as calorias forem consumidas durante o dia, quando estamos acordados e ativos. Os dados também sugerem que comer a horas erradas à noite não leva á perda de peso, mesmo que a pessoa esteja a fazer dieta», explica Joseph Takahashi, responsável pela área de neurociências deste centro médico académico.

 

Entre as descobertas, os cientistas documentaram como os ratos em dieta reduziram a sua alimentação a um período de tempo muito curto e foram inesperadamente ativos durante o dia – o período de descanso normal para os animais noturnos. Esses dados revelam relacionamentos previamente desconhecidos entre alimentação, metabolismo e comportamento.

 

Além de afetar o peso, os cientistas acreditam que o momento do consumo de alimentos afeta os ritmos circadianos e pode ser o caminho pelo qual os hábitos alimentares influenciam o tempo de vida. O estudo reforçou essa noção testando os ciclos dia / noite de ratos sob diferentes horários de alimentação. «Sabe-se há décadas que a restrição calórica prolonga a vida em animais, mas esses tipos de estudos são muito difíceis de conduzir porque exigem a alimentação manual de animais ao longo de muitos anos», reforça o cientista.

 

Veja também: Dicas sobre perda de peso que deve ignorar completamente

 

Os dois grupos de ratos que foram alimentados nos momentos errados durante o ciclo normal de luz-escuro – aqueles com uma redução de 30% de calorias e outros com acesso ilimitado aos alimentos durante o dia – permaneceram ativos à noite, sugerindo que podem ter privação crónica do sono.

 

Este é um fator especialmente importante para os cientistas considerarem em pesquisas futuras, dado que muitos estudos sobre redução de calorias envolvem apenas alimentação diurna. Sem contar o momento da ingestão de alimentos, a pesquisa que examina os efeitos da redução de calorias pode ser distorcida por fatores ocultos, como falta de sono e ritmos circadianos dessincronizados.

 

Artigo anterior

Eclipses - Fases da Lua

Próximo artigo

‘World Luxury Spa Awards’ elegem os melhores spas do mundo e alguns são em Portugal