Home»ATUALIDADE»ESPECIALISTAS»A dieta arco-íris durante a pandemia de Covid-19

A dieta arco-íris durante a pandemia de Covid-19

Ao criarmos uma dieta arco-íris estamos a regular o ciclo diário de todo o nosso sistema imunológico, emocional e intelectual.

Pinterest Google+

«A alimentação e todas as formas preventivas de proteção ao equilíbrio do ser humano podem ser o medicamento mais poderoso para reduzir o risco de doenças. Podemos através de novos comportamentos, modificar a expressão dos nossos genes e evoluirmos num caminho de sabedoria e de paz entre nós e o meio onde vivemos». Esta é a proposta de uma prática sustentável de atuação em saúde, tendo em consideração o estudo através dos fatores epigenéticos, na ‘Observação da Saúde dos Povos’.

 

O arco íris é um fenómeno de ilusão de ótica que surge após a queda de chuva em conjunto com o os raios solares que iluminam a humidade suspensa no ar.  A luz branca do sol é desviada e decompõe-se nas setes cores que compõem o seu espectro, formando as sete cores e um arco no céu.

 

Nos alimentos acontece algo semelhante, mas de forma diferente. A vibração da cor de cada alimento é também composta pela absorção dos raios solares e isso influencia o metabolismo humano na forma como os alimentos vão atuar no nosso estado de saúde e de bem-estar.

 

VEJA TAMBÉM: AS CORES DOS ALIMENTOS TÊM UMA EXPLICAÇÃO: CONHEÇA OS SEUS BENEFÍCIOS

 

O cientista Gabriel Cousens, fundador da Tree of Life Foundation, no seu livro sobre a Nutrição Evolutiva defende que devemos praticar a dieta do arco-íris. Através do seu conceito, explica-nos que todos os alimentos têm um alinhamento de vibrações com os sete chacras principais e que as suas cores refletem o espectro do arco íris.

 

Sir Gabriel considera que a cor e a combinação da preparação dos alimentos são primeiro absorvidas visualmente, ou seja, explica-nos literalmente que primeiro “comemos com os olhos”. Desta forma assumimos mental e fisiologicamente a vibração da cor e que, consoante a sua intensidade, nos faz alterar o estímulo das glândulas salivares.

 

Este efeito acontece pelas nossas reações conscientes ao sabor e aromas da comida. Ora, se o alimento é energia na sua forma material, a sua cor é a sua assinatura e consoante a sua cor externa este pode ser relacionado com a energia específica de cada chacra.

 

Através deste conceito, podemos compreender que a composição de uma refeição colorida ajuda-nos a equilibrar a mensagem de cura ao corpo, que limpa, constrói, reequilibra as glândulas, os órgãos e os centros nervosos associados aos chacras.

 

VEJA TAMBÉM: ALIMENTOS PRATICAMENTE SEM CALORIAS

 

Ao criarmos uma dieta arco-íris estamos a regular o ciclo diário de todo o nosso sistema imunológico, emocional e intelectual.

– Pela manhã, deve começar por estimular os três primeiros chacras; vermelho, laranja e amarelo dourado (banana, laranja, maçã, grãos dourados, como o milho, o trigo sarraceno, as castanhas e sementes, como o gergelim, girassol e abóbora).

 

– Ao meio dia, deve comer alimentos de estímulo do terceiro, quarto e quinto chacra; amarelo dourado, verde e azul (saladas e outros vegetais verdes, abacate, cenouras, melancia, maçã verde, brotos e rebentos).

 

– No fim do dia (noite) deve estimular o equilíbrio do quinto, sexto e sétimo chacra com os alimentos azul índigo, roxo e dourado (alga vermelha, beterraba, repolho roxo, beringela, trigo, painço, aveia, sementes de abóbora, castanhas de caju crua, sementes de gergelim e amêndoas e abacaxi ou ananás).

 

VEJA TAMBÉM: O SIGNIFICADO DAS CORES: SAIBA COMO RODEAR-SE DAS ENERGIAS CERTAS

 

Este tipo de orientação alimentar permite que seja praticada por todas as pessoas, numa abordagem simples e natural, porque acompanha o ciclo circadiano das 24 horas de organização do biorritmo. A recomendação geral para uma alimentação de manutenção da saúde e vitalidade emocional deve ser composta por 60% de alimentos vivos(bioativos), 20% de alimentos germinados (biogenicos) e 20% de alimentos cozinhados (bioestaticos). Um corpo bem nutrido também proporciona um indivíduo equilibrado e saudável.

 

Sir Gabriel Cousens explica-nos também que os nossos genes não criam propriamente a doença, ela só surge quando o nosso estilo de vida é modificado pelo tipo de alimentação errada e carente, sobrecarregada de alimentos processados (biocídicos), demasiado stress mental e físico, e com esta chave ativamos a expressão genética do envelhecimento…

 

Toda a nossa vida tem o seu sistema de harmonia e vibração entre o corpo e o meio onde estamos inseridos, por isso, comer deve ser feito como um ato de amor…porque só o amor nos pode salvar!

 

 

Artigo anterior

Combata os efeitos das alergias com truques de cosmética

Próximo artigo

Os melhores chás para perder a barriga