Home»BEM-ESTAR»CORPO»A celulite: o papel dos estrogénios

A celulite: o papel dos estrogénios

Este é um problema que afeta muitas mulheres e está relacionado com a exposição a níveis aumentados de hormona feminina.

Pinterest Google+

Muitas das mulheres que procuram a minha ajuda queixam-se de celulite, principalmente na região das coxas e glúteos. A celulite é uma condição também chamada de lipodistrofia ginóide, afetando, portanto, mais mulheres do que homens. Os homens que sofrem desta manifestação poderão apresentar desvantagem hormonal induzida pelo estilo de vida, ou estar sujeitos a tratamentos farmacológicos que os coloquem mais expostos a estrogénios (hormona feminina).

 

Sendo um problema ginóide, tipicamente feminino, ele encontra-se relacionado com a exposição a níveis aumentados de hormona feminina. Esta predominância estrogénica, nos dias que correm, encontra-se muitas vezes exacerbada devido a vários aspetos relacionados com o estilo de vida.

 

VEJA TAMBÉM: OS 10 MANDAMENTOS PARA UMAS PERNAS PERFEITAS

 

Muitas são as formas de contactarmos com estrogénios exógenos, no dia-a-dia:

  • A pílula é a principal forma de intoxicação por estrogénios sintéticos nas mulheres atuais. Contudo, animais tratados farmacologicamente com hormonas, como os criados intensivamente para consumo humano (frango, peru), também nos intoxicam com estrogénios sintéticos.
  • Para além dos sintéticos, é normal a maioria das pessoas ter um excesso de ingestão de estrogénios de origem animal, nomeadamente através dos lacticínios.
  • Os de origem vegetal também estão cada dia mais presentes na alimentação de muitas mulheres, como no caso da soja.
  • Podemos ainda contactar com substâncias que mimetizam a ação estrogénica, comportando-se como tal. Os xeno-estrogénios presentes nos pesticidas, nos cosméticos, nos protetores solares e até nas águas/bebidas engarrafadas em plástico, têm ação disruptora, contribuindo para esta predominância estrogénica.

 

A predominância estrogénica tem implicações negativas na retenção hídrica. Para além de tomar água em quantidade suficiente, é necessário acima de tudo, recorrer a uma alimentação que contrarie a inflamação e que contribua para a eliminação dos estrogénios em excesso.

 

VEJA TAMBÉM: A CELULITE E A ALIMENTAÇÃO: COMBATA ESTE ‘TERROR’ POR DENTRO

 

O exercício físico tem um papel crucial no combate à celulite, pois o sistema linfático encontra-se completamente dependente do movimento. Ele não possui uma bomba como o sistema circulatório. A circulação linfática necessita do estímulo da contração muscular para funcionar melhor. Contudo, ainda assim, para muitas vezes não é suficiente. Pode ser necessário usar estratégias para otimizar a circulação linfática. Um dos maiores estímulos é precisamente a imersão em água, principalmente na posição vertical e em concentração hipertónica (água salgada). As propriedades da água estimulam tanto o retorno venoso como todo o sistema linfático.

 

E, por último, também existem as técnicas de drenagem, como a manual, realizada em gabinete de estética, ou terapias várias com recurso a princípios ativos que estimulam a produção de colagénio e diminuição das enzimas que o degradam. O colagénio constitui um dos elementos fundamentais na formação do tecido conjuntivo, que dá suporte à pele, tornando-a mais firme.

 

Se deseja combater a celulite, procure quem lhe ensine as bases de uma alimentação anti-inflamatória e quem lhe prescreva um programa de exercício individualizado. A meu ver, será sempre positivo acumular estratégias com sucesso garantido, como frequentar uma piscina para realizar caminhada/corrida aquática. O uso de técnicas da área da estética também agrada a muitas mulheres, em termos de resultados. Assegure-se de que os produtos cosméticos utilizados não contenham, eles próprios, xeno-estrogénios!

Artigo anterior

Erros que danificam o seu cabelo

Próximo artigo

Maioria dos portugueses compraria um carro que nunca conduziu