Home»FOTOS»A casa mais cara do mundo está à venda

A casa mais cara do mundo está à venda

Pertenceu a um rei, tem uma biblioteca com 3000 livros sobre natureza, está rodeada por um dos maiores jardins botânicos do mundo e custa 350 milhões de euros. Conheça a Villa Les Cèdres, localizada na costa de Saint-Jean-Cap-Ferrat, em França.

Pinterest Google+
PUB

A Villa Les Cèdres, uma mansão com 187 anos que fora outrora a casa do Rei Leopoldo II, da Bélgica, está agora à venda por 350 milhões de euros. Um valor que, segundo a Bloomberg, faz desta a casa maia cara do mercado. Tem 18 mil metros quadrados, 14 quartos e 35 hectares de terreno, muito dele preenchido por aquele que é um dos maiores jardins botânicos do mundo, com espécies de todos os continentes.

 

O sul de França foi a casa dos super-ricos há cerca de dois séculos. À medida que os seus destinos aumentavam, os industriais, os príncipes e os banqueiros da altura construíram palácios ao longo do Mediterrâneo. O seu atual proprietário, o italiano Davide Campari-Milano SpA, acredita que a combinação de história, luxo e localização da casa ao longo da costa de Saint-Jean-Cap- Ferrat, em França, são os ingredientes necessários para tornar esta a venda residencial mais cara da história.

 

Segundo a Bloomberg, a Les Cèdres foi construída em 1830 e comprada em 1850 pelo presidente da câmara de Villefranche-sur-Mer, quando funcionava como plantação de oliveiras. Os seus descendentes venderam a propriedade ao rei belga Leopoldo II, em 1904, que expandiu os jardins que ainda cercam a casa.

 

Veja também: Pine Cliffs: luxo e natureza numa experiência de bem-estar

 

Em 1924, 15 anos após a morte de Leopoldo, a mansão foi adquirida pela família Marnier-Lapostolle, industriais mais conhecidos pela produção de licor Grand Marnier. Permaneceu na família até 2016, quando a Campari adquiriu a Société des Produits Marnier Lapostolle, a empresa-mãe do Grand Marnier. Confrontada com uma propriedade que poderia valer 20 por cento das suas vendas brutas de 2016, a Campari colocou a mansão no mercado.

 

Os portões da mansão abrem-se para um caminho longo e sinuoso, flanqueado por palmeiras altas e cedros, que dão o nome da casa. Uma estátua de bronze de Atena, coberta com uma túnica de mármore, fica de guarda na entrada da frente. A decoração é Belle Epoque: tem grandes salas de estar, candelabros, portas francesas e retratos do século XIX em molduras ornamentadas. Uma biblioteca com painéis de madeira possui 3.000 livros sobre flora e naturalismo. Veja imagens na galeria acima.

 

Artigo anterior

“DR” é uma chatice!

Próximo artigo

Starbucks vai abrir primeira loja no Porto