Home»BEM-ESTAR»COMPORTAMENTO»A autoimagem

A autoimagem

Pinterest Google+

A autoimagem representa o conceito do tipo de pessoa que eu sou. Ela tem sido criada na base das nossas próprias crenças sob nós próprios.

 

A maioria destas crenças tem tomado forma inconscientemente baseadas nas nossas experiências passadas, nos nossos êxitos e fracassos e no modo como outras pessoas têm reagido perante nós, especialmente durante a nossa infância.  Com isto tudo, formamos mentalmente um “ser” (ou o quadro representativo de um ser).

 

Uma vez que certa crença ou ideia sob nós próprios entra neste quadro, converte-se numa “verdade”, tanto como nos chega a convencer pessoalmente.

Não estamos a falar aqui do valor intrínseco da mesma enquanto se relaciona com a verdade, mas sim é certo que atua sobre nós como se fosse verdade.

Se a nossa imagem é baseada em crenças e as crenças podem ser modificadas, então a nossa imagem pode ser modificada.

 

Temos aqui dois importantes pontos de partida para obter os resultados que queremos:

  • Todos os nossos atos, sentimentos e conduta, inclusive as nossas capacidades, estão contidos na nossa autoimagem
  • A autoimagem pode ser modificada

 

Janela “Johari”

Uma ferramenta que utilizo com frequência para descrever o processo de desenvolvimento da autoimagem é a “Janela Johari”, criada pelos psicólogos Joseph Luft e Harrington Ingham em 1955. Originalmente foi criada com o objetivo de auxiliar no entendimento da comunicação interpessoal e nos relacionamentos com um grupo.

 

A palavra Johari tem origem na composição dos prenomes dos seus criadores: Jo(seph) e Hari(Harrington). Este modelo é particularmente útil para aprofundar o autoconhecimento, procurar congruência entre personalidade, perceção e conduta.

 

A autoimagem

 

“Eu” Público (Aberto): É a imagem conhecida pelo próprio e pelos outros. São as facetas da personalidade que conhecemos em nós e damos a conhecer aos outros.

“Eu” Privado (Secreto): É a imagem conhecida pelo próprio e vedada aos outros. São as facetas da personalidade que conhecemos em nós, mas não revelamos aos outros. Aqui se encontram os sonhos e aspirações do indivíduo. Só aquelas pessoas mais próximas podem chegar a ter uma noção deste “Eu”.

“Eu” Cego: É a imagem conhecida pelos outros e ignorada pelo próprio. São as facetas da personalidade que os outros veem, mas nós não podemos ou não queremos ver.

“Eu” Desconhecido: É a imagem “desconhecida” para o próprio e para os outros. São as facetas mais profundas da personalidade, é a dimensão inexplorada do nosso potencial.

 

Artigo anterior

Start-up americana inventa detetor de glúten portátil

Próximo artigo

Passagem de ano. Onde entrar em 2016?