Home»COVID-19»43,3% das pessoas com diabetes diagnosticadas com COVID-19 foram hospitalizadas

43,3% das pessoas com diabetes diagnosticadas com COVID-19 foram hospitalizadas

Alerta da Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal surge na altura em que se assinala o Dia Mundial da Diabetes, a 14 de novembro, ressaltando a importância do rastreio da COVID-19 em pessoas com diabetes.

Pinterest Google+
PUB

Segundo dados do Observatório Nacional da Diabetes, registados de março a 28 de abril de 2020, a taxa de hospitalização de pessoas diagnosticadas com COVID-19 era de 14,5%, uma percentagem que sobe para 43,3% nas pessoas com diabetes. Com base nestes dados, a Associação Protectora dos Diabéticos de Portugal (APDP) alerta para a importância do rastreio da COVID-19 em pessoas com diabetes.

 

O Observatório Nacional da Diabetes refere ainda que, do total de pessoas que testaram positivo para COVID-19, 1 145 tinham diabetes (5,3% do total). Um número que se traduz em 83 óbitos, no total de 502 óbitos que se registaram em Portugal durante o período em análise. Além disso, 20,3% das pessoas com diabetes (por comparação ao valor de 8,8% das pessoas infetadas) necessitaram de Internamento em Unidades de Cuidados Intensivos.

 

VEJA TAMBÉM: DIABETES: O QUE FAZER QUANDO O RESULTADO É POSITIVO PARA COVID-19?

 

“Estes dados permitem confirmar o risco acrescido da COVID-19 para as pessoas com diabetes e evidenciam a importância de se estabelecer, rapidamente, uma estratégia eficaz e organizada que permita melhorar a capacidade de testagem a pessoas com diabetes. Só uma testagem populacional devolverá a confiança às pessoas e as motivará para se continuarem a proteger. A responsabilização não é suficiente, temos de saber apoiar e incentivar em vez de criticar e acusar. A experiência acumulada da APDP, de educação e de defesa do autocuidado é um bom caminho, porque parte do apoio às pessoas.” afirma José Manuel Boavida, presidente da APDP.

 

Atualmente, segunda a norma definida, só os casos suspeitos é que devem ser testados. E, apesar de estar referida uma ordem de prioridade que contempla as pessoas com doenças crónicas não há um sistema de testagem pró-ativo. “Temos de começar com as pessoas que estão expostas a transportes públicos e ambientes de trabalho com potencial de contágio, e depois avançar com a testagem à família e a toda a comunidade envolvente. Só assim é que conseguimos confinar o vírus e não as pessoas!” reforça José Manuel Boavida.

 

VEJA TAMBÉM: COVID-19: CRIADA LINHA DE ATENDIMENTO TELEFÓNICO PARA PESSOAS COM DIABETES

 

João Filipe Raposo, diretor clínico da APDP, expõe ainda que “a análise comparativa que foi realizada revela ainda que a taxa de letalidade é mais elevada nos indivíduos com diabetes em todos os escalões etários (com exceção dos 50-59 anos), e é tanto mais elevada quanto mais aumenta o escalão etário”.

 

“E, enquanto o sexo feminino é mais prevalente no total dos indivíduos diagnosticados com COVID-19 (representando 58,7% do total), no subgrupo dos indivíduos com diabetes a relação é inversa, provavelmente relacionada com a maior prevalência da diabetes no sexo masculino”, conclui o especialista.

 

Artigo anterior

Pernil de porco assado com pera rocha e redução de vinho

Próximo artigo

A forma correta de organizar o frigorífico