Home»VIDA»CASA & FAMÍLIA»Os 10 mandamentos da saúde animal

Os 10 mandamentos da saúde animal

Conheça os mandamentos que todos os tutores de animais de companhia deveriam ter em conta e que todos os médicos veterinários gostariam de ver cumpridos, de forma a que os animais de companhia sejam mais saudáveis, com maior qualidade de vida e sejam consequentemente mais felizes.

Pinterest Google+
PUB

1 – Antes de adotar informe-se sobre as características do animal – Informar-se sobre as caraterísticas e necessidades do animal que vai adotar é fundamental. A idade, o porte, as características físicas, as necessidades nutricionais e de exercício devem ser tidas em conta antes da adoção. No caso de se ter decidido pela adoção de um cachorro, tenha em consideração de que é uma fase muito delicada e os 2 primeiros meses de vida são críticos, determinando a saúde e bem-estar de gatos e cães durante toda a vida.

 

2 – Vacinar sempre – A vacinação dos animais de companhia é um dever de todos os tutores. Protege os animais de companhia de doenças perigosas para os animais, mas também para os seres humanos (como é o caso da raiva). O médico veterinário assistente deverá ser o responsável pelo plano de vacinação durante toda a vida do animal, desde cachorrinho até à idade geriátrica.

 

3 – Desparasitar regularmente é fundamental – A desparasitação interna e externa é outro aspeto fundamental a ter em conta para a promoção e manutenção dos nossos animais de companhia. Aconselhe-se com o seu médico veterinário sobre as estratégias de combate aos parasitas que mais se adequam ao seu animal.

 

VEJA TAMBÉM: MAIS TEMPO JUNTOS. O QUE LHE ESTÁ A DIZER O SEU CÃO?

 

4 – Brincadeira e exercício devem ser prioridades – Todos os animais de estimação, independentemente da raça ou porte, precisam de exercício e gostam de brincar com os seus tutores. A alimentação deve também adequar-se à atividade física do seu animal, de forma a combater o excesso de peso. O seu médico veterinário pode ajudá-lo a estabelecer um plano nutricional que se adeque às necessidades de exercício e alimentação do seu animal.

 

5 – Esterilização? Sim! Traz uma qualidade de vida superior ao seu animal – O médico veterinário é quem melhor pode esclarecê-lo sobre as vantagens da esterilização e, caso adote ou já tenha um animal esterilizado, aconselhá-lo sobre as necessidades nutricionais do animal, que se modificam depois da esterilização. A esterilização em animais de companhia é um procedimento essencial que, tem uma ação contracetiva, da eliminação permanente do comportamento de cio, mas também ação na prevenção de alguns problemas de saúde do aparelho reprodutor.

 

6 – Visitar o médico veterinário regularmente – Não espere que o seu animal de estimação fique doente para visitar o médico veterinário. Faça check ups regulares e lembre-se que os animais em idade geriátrica precisam de cuidados médicos mais frequentes, em particular os gatos, que são exímios no que toca a disfarçar sinais clínicos de doença.

 

VEJA TAMBÉM: CÃES GULOSOS: A COMIDA DE HUMANOS QUE ELES PODEM OU NÃO COMER

 

7 – A saúde psicológica não deve ser ignorada – Cães e gatos podem sofrer de doenças psicológicas. A ansiedade de separação ou a depressão são duas doenças psicológicas que podem afetar os animais de companhia e que se refletem no seu comportamento e até mesmo na sua saúde física. O médico veterinário tem todas as competências para detetar os sinais clínicos e ajudar o seu amigo de quatro patas.

 

8 – A alimentação é o segredo para uma saúde de ferro –É preciso que os tutores tenham em consideração que as necessidades nutricionais dos seus gatos ou cães são muito diferentes das dos humanos e que essas necessidades variam mesmo de animal para animal – de acordo com a sua raça, idade, o peso ou características como esterilização ou problemas de saúde. Escolher alimentos cientificamente testados e de uma marca de confiança são a única forma de garantir a segurança e uma nutrição completa e adaptada. Aconselhe-se com o seu veterinário.

 

9 – A segurança está sempre em primeiro lugar – Lembre-se sempre que é responsável pela segurança do seu animal, quer em casa, quer em viagem. Aconselhe-se com o seu médico veterinário sobre a forma mais segura de transportar o seu gato ou cão e sobre os perigos que a casa pode esconder (alimentos ou plantas tóxicas, prevenção de quedas, cuidados com a eletricidade, etc.).

 

10 – Treino e educação sempre que possível – O treino e a educação são importantes, em particular no caso dos cães. O seu médico veterinário pode aconselhá-lo sobre as melhores estratégias tendo em conta a raça e características do seu animal de estimação.

 

 

 

 

Artigo anterior

Toxoplasmose e gravidez: diagnóstico e tratamento

Próximo artigo

Comece a fazer exercício hoje: as inúmeras vantagens para além da saúde